29 de agosto de 2008

Zapeando o noticiário

Indiciamento dos responsáveis
A mãe do bebê que caiu acidentalmente do terceiro andar e sobreviveu graças à piedade divina e a sua fralda que enroscou no muro e teve sua queda amortecida, evitando-se assim sua morte. Pois o Delegado de plantão no bairro de Boa Viagem em Recife vai agir com o rigor da lei e do Estatuto do Menor e do Adolescente. Engraçado, pois em São Paulo um jovem de 11 anos, já roubou dez carros, motos, e ninguém da polícia ou dos direitos humanos responsabilizou civil e criminalmente seus pais. Uma mãe cujo bebê sofre um acidente é tratada como criminosa e os pais que fingiram que o filho era normal enquanto ele roubava nas madrugadas paulistanas é um pobre coitado à luz da lei.

Serra anuncia que vai aumentar o ICMS sobre o álcool combustível em SP.
Uma coisa que nenhum economista consegue explicar é o por que quando um produto sofre diminuição de encargos e taxas sua redução é demorada e muitas vezes nem ocorre, enquanto que quando o mesmo produto recebe um acréscimo mesmo que imperceptível no seu custo de produção o consumidor é penalizado imediatamente, antes até do mesmo chegar às prateleiras ou estoque para consumo? Se o ICMS diminui para o Usineiro, o combustível não abaixa um centavo na bomba para o motorista, mas se o ICMS subir 0,5% para o ganancioso produtor, na mesma hora o produto sobe, inclusive aquele estoque que já havia sido comprado anteriormente ao aumento.

Contratações
Para acabar de vez com o desemprego, o governo federal anunciou a contratação de noventa mil novos funcionários para o ano de 2009. São vagas em diversos órgãos e sempre plenamente justificadas pelo staff do Presidente Lula. Enquanto isso, para não ficar por baixo mais uma vez, o Judiciário conseguiu a aprovação no Senado, na calada da noite para a criação de quase mil cargos para o TST, TCU, STJ e outras siglas mais que não vem ao caso. Esse pessoal do executivo nunca faz remanejamentos, reengenharia ou uma profunda reestruturação em seus quadros inchados. Isso é coisa para a iniciativa privada, no paraíso da vida pública prevalece o nepotismo, a contratoterapia e a farra do boi gordo.

Isonomia – Uma palavra mágica em Brasília
É incrível como a palavra isonomia é usada nos corredores e esquinas do Distrito federal. Isonomia segundo o Dic. Aurélio significa: “Igualdade de todos perante a lei, assegurada como princípio constitucional”. Ela é usada da seguinte forma com freqüência: O Poder Legislativo aumenta os vencimentos e o Poder Judiciário requer a isonomia para seus membros. Ou vice versa, não importa a ordem, o que importa é que enquanto o povão fica com o salário mínimo, a classe média com o “imposto máximo” a realeza (Poder Executivo, Judiciário e Congresso Nacional) ficam nadando em águas claras na “nababia” de Brasília. Como os salários estão convenientemente atrelados estima-se que a brincadeira ficará na casa dos R$ 153.759.667,62 para o Poder Judiciário e R$ 71.024.943,00 para o Ministério Público, pois a isonomia entre os poderes está sendo solicitada retroativa a 13 meses de 2007 e 10 meses de 2008. Que lindo! Esse valor seria suficiente para construir a Linha amarela do Metrô em SP.

22 de agosto de 2008

Racismo, indiferença ou modismo

“A história dos grandes acontecimentos do mundo
não é mais do que a história dos seus crimes “
Voltaire

Muitos países ao redor do mundo ainda sofrem com a fome, a doença e a ascensão ao poder de tiranos absolutistas ou de grupos terroristas que se dizem revolucionários enquanto matam e inserem crianças em seu mundo de criminalidade banal.
Na África, principalmente, mas também na Ásia e até na América Central esses regimes ditatoriais se espalham com o vento e conseguem se manter graças ao desprezo vindo da ONU e dos países ricos do primeiro mundo.
Nesse sentido nos chama a atenção o enorme “desespero” dos cidadãos do mundo afora em favor da liberdade do Tibet. Sou a favor de toda e qualquer democracia que garanta a liberdade de fato e de direito aos mais variados povos do nosso mundo. Mas como explicar que alguns somente são a favor daquelas minorias que garantam holofotes gigantes ao seu redor?
A proximidade dos jogos de Pequim em mais uma edição das Olimpíadas enfureceu os militantes “Pró-Tibet”. Pena que nunca os tenha visto enfurecidos com relação à morte de milhões de africanos por fome, guerras e assassinatos cruéis sem que a mídia tenha sido mobilizada como estão fazendo em relação aos monges tibetanos.
Qual a diferença entre exigir liberdade para singelos monges tibetanos e negros da Mãe África? Qual a diferença em salvar o Tibet em relação a devolver a dignidade aos Haitianos na América Central?
Por que recebemos centenas de mensagens em nossos computadores repassadas aos milhões pelo mundo afora pedindo intervenção na poderosa China comunista sem que os mesmos signatários o façam em relação aos pobres espalhados pelo resto do mundo, terceiro mundo, diga-se de passagem?
Seria apenas um modismo passageiro e sem consistência política e ideológica ou seria o desprezo pela luta verdadeira contra os abusos que partem dos neoliberais que vendem armas e munições para abastecer os guerrilheiros e ditadores do fim do mundo? Contra Cuba, China e Rússia estão todos, mas a favor da proliferação das armas americanas, francesas e inglesas somente alguns?
Certo seria o Tibet ter a sua oportunidade de permanecer em paz e desfrutando de sua cultura milenar, sem a pressão militarista dos comunistas chineses.
Certo seria que todos pudessem também lutar e exigir o fim das tiranias praticadas por governantes travestidos de bandidos contra africanos indefesos e esfomeados.
Certo seria que houvesse pressão mundial contra a política imperialista americana, que sufoca países, rouba petróleo em nome da democracia e da paz, vende armas para ditadores aliados e ainda desrespeita tratados ambientais que poderiam equilibrar o futuro do planeta. Pratica atos que ferem os direito humanos em nome da luta contra o terrorismo que eles mesmos alimentam.

16 de agosto de 2008

Tirando as algemas


“Quando o dinheiro fala, a verdade cala”.
Provérbio Chinês
O STF está mesmo impossível, depois de optarem em aceitar que candidatos com nomes sujos na praça, cobertos de lama até o pescoço possam participar livremente das eleições a cargos públicos, agora resolveram abolir as algemas para não “intimidarem” aqueles que não tiveram nenhum pudor de cometerem toda sorte de crimes contra os honestos que pagam impostos aos montes na nossa sociedade.
É mais uma demonstração cabal e inequívoca de que a nossa justiça está voltada aos interesses de uma minoria sórdida e que as leis e todas as suas inúmeras armadilhas processuais ficam para o povo. Pasmem, até o traficante Fernandinho Beira Mar pôde ficar no tribunal sem algemas!
Ser político num país como o Brasil é mesmo um grande negócio, salários de marajás indianos, benefícios que crescem mais que capim, oportunidades para grandes maracutaias e ainda o amparo sempre servil da justiça brasileira.
Como pode o órgão máximo da justiça enveredar pelo caminho da subserviência aos criminosos do colarinho branco? Como pode essa mesma justiça dar tratamento VIP para aqueles que em tese são os maiores criminosos do país. Os banqueiros Dantas, Cacciola juntos com alguns empresários perpetuaram golpes na nossa sociedade em valores que passam da casa dos bilhões de reais.
É por isso que a nossa classe abastada tem ojeriza dos países como Cuba, Rússia e principalmente a China, pois naqueles países a justiça não perdoa crimes contra as finanças públicas e os criminosos ficam apodrecendo nas cadeias.
Então ficamos assim, os criminosos do colarinho branco se forem presos pela competente Polícia Federal, não poderão ser algemados, de preferência não deverão ser filmados sendo transportados para a sede da PF. Ficarem presos nem pensar, pois o STF providenciará a soltura através do primeiro Hábeas Corpus que lá chegar.
Assim é o Brasil, país de milhões de pessoas honestas sendo governados por ineptos, falastrões e fanfarrões de toda ordem. A educação é fictícia e ajuda a manter os mais pobres longe da cultura e do conhecimento, facilitando e muito a eleição dos mesmos sempre. A justiça é para os mais ricos e poderosos e as leis para o povo pobre e sofrido.

12 de agosto de 2008

Momento olimpíco

Longe de Pequim/2008
Definitivamente o espírito olímpico está longe, mas muito distante do chamado mundo civilizado. No Iraque, os americanos capitaneados pelo beócio George W. Bush mantém seus pobres soldados numa frente de batalha que não existe em termos de guerra.
Na verdade o que mantém os americanos e seus aliados naquele país é a ganância pela exploração de barris de petróleo. A guerrilha urbana, a doença, a terra arrasada e seu povo desnutrido e sem saída parecem não comover nenhum habitante da terra, que nesse momento preferem ficar preocupados com a estranha culinária chinesa.

Perto de Pequim/2008
Seguindo os passos de Bush o primeiro ministro russo Putin, resolve atacar civis na Geórgia por conta de uma disputa pela Ossétia do Sul. Um pequeno território dentro da própria Geórgia, mas que pertence à Rússia toda poderosa. Somente no primeiro ataque os russos conseguiram ceifar duas mil vidas de civis inocentes enquanto estavam em suas casas.
Não importa a quem pertença o território insignificante da Ossétia do Sul, em pleno século XXI, existem dezenas de formas de negociação que deixem de lado métodos medievais e sanguinários de apropriação de territórios.
Lamentável que tanto o governo da Geórgia quanto o Russo não tenham discernimento suficiente para evitarem derramamento de sangue inocente de crianças e idosos que sequer carregavam uma arma nas mãos.

Discursos patéticos
Diante dos olhos e ouvidos do mundo o presidente dos EUA – George W. Bush em seu discurso antes de adentrar a China para assistir a grandiosa festa de abertura dos jogos olímpicos, chama a atenção para a sua enorme desfaçatez.
Nesse quesito seria com certeza medalha de ouro se a modalidade fizesse parte dos jogos olímpicos. Pois não é que Bush chamou a atenção da China para a falta de liberdade existente naquele país? Como se o embargo comercial imposto pelos americanos a Cuba fosse digno de um prêmio Nobel da paz há mais de quarenta anos.
Não se segurando o mesmo homem que mandou invadir o Iraque baseado em mentiras e pensando somente nos interesses mais escusos possíveis, vem repreender Vladimir Putin da Rússia por sua invasão a Geórgia. Claro que Putin está errado, mas o roto jamais deveria falar do rasgado tendo seu rabo preso a atrocidades que mereceriam julgamento como crimes de guerra.

8 de agosto de 2008

Dois lados de um grande projeto

“No meio de qualquer dificuldade
“encontra-se a oportunidade.” Albert Einstein.


Existem situações e opiniões sobre certos fatos que podemos aceitar duas vertentes e ambas podem estar corretas dependendo do interlocutor que as está ouvindo ou lendo. Na China existe uma fábrica de atletas olímpicos que engloba diversos esportes e basicamente levam as crianças ao treinamento constante desde os seis anos até os vinte e poucos anos. Formando medalhistas e cidadãos para o futuro.


As crianças são obrigadas a deixar suas famílias, pois ficam em tempo integral treinando, estudando e dormindo nesse centro de treinamento avançado. As visitas aos pais são realizadas aos finais de semana dependendo de uma liberação dos treinadores.

A escolha dos predestinados é feita por olheiros espalhados pela República Chinesa. Muitos são os candidatos, demonstrando à priori que aquela forma de se submeter ao treinamento em tempo integral é uma espécie de sonho de consumo da gurizada e de seus familiares.
Os resultados práticos são plenamente favoráveis ao governo chinês, pois são muitos os atletas que já conseguiram o lugar mais alto do podium em Mundiais e Olimpíadas, tendo nascido para o esporte nesse centro de treinamento chinês.

Entretanto, duas são as análises que podemos fazer sobre a aplicabilidade e a forma de fazê-lo pelo governo ditatorial da China, se quiséssemos implantar o projeto em solo tupiniquim:

A favor teríamos o fato de que poderíamos tirar das ruas e das drogas milhares de crianças e com isso incluí-las no ensino buscando sua formação educacional e ao mesmo tempo podermos formarmos alguns atletas que se juntariam aos cidadãos que sairiam dessa “fábrica” de atletas.

E contra esse método teríamos o argumento de que não devemos tirar a criança do convívio da sua família, robotizando e transformando-a num meio para se alcançar um fim esportivo. A criança é no caso da China praticamente “estatizada”, passando a ser tratada como um militar em regime de guerra.

O treinamento exaustivo, a formação escolar podem ser aplicadas sem que a criança perca por todo o sempre o convívio familiar ao final de cada dia, ficando em regime fechado apenas aqueles que fossem órfãos.

Como no Brasil nossas crianças crescem nas favelas muito longe de uma religião, distantes às vezes até da própria escola, vitimas da massificação do tráfico de drogas e da ausência constante do poder público, é normal que aceitemos o exemplo da China como correto para o Brasil, desde que, é claro, façamos as devidas adaptações ao nosso modo de vida ocidental.

1 de agosto de 2008

Ministro cantor termina sua turnê

O cantor Gilberto Gil cover de ministro da cultura saiu do governo Lula deixando a clara sensação de que nunca assumiu tal responsabilidade. Viajou muito, cantou bastante e até deu um up-grade em sua carreira musical, mas não deixou projeto visível que tenha possa ser lembrado nessa sua passagem por Brasília.
Não foi a primeira e nem será a última vez que uma celebridade é escolhida para ser ministro e decepciona. O jogador Pelé foi um péssimo Ministro dos Esportes e ninguém tem saudade alguma de sua mais famosa e controversa Lei, criada para amparar os jogadores de futebol e que na verdade é hoje uma das responsáveis pelo êxodo de jogadores no país.
A escolha de um artista para ocupar um cargo deveria passar pelo mesmo critério que a escolha de qualquer membro de uma equipe de governo. Conhecimento, capacidade, projeto político deveriam ser analisados antes de colocar uma estrela numa cadeira na qual o escolhido terá ojeriza em sentar. Gilberto Gil viajou pelo mundo inteiro e pouco ou nada fez pela cultura do Brasil.
Se era para levar a sua música, a sua arte aos povos que o fizesse como cantor e compositor, não precisaria ocupar um cargo público remunerado para fazê-lo. Sem contar que ao aceitar o cargo, o ministro tem direito a escolher assessores diretos e indiretos, além de abocanhar alguns cargos em estatais ligadas ao seu ministério. Quanto dinheiro jogado fora.
O Brasil precisa de gente séria, de pessoas altamente qualificadas e o que é mais importante, totalmente identificadas com o desafio que terá pela frente ao assumir um ministério. Chega de experiências, chega de nomes de apelo popular, mas sem capacidade alguma de tocar um ministério.
Não podemos nos dar ao luxo de jogarmos fora o tempo, pois esse não retorna mais, o dinheiro público tem de ser respeitado e não pode ser jogado fora por nossos governantes, com escolhas equivocadas. O que dizer para Gilberto Gil? Esquece a burocracia governamental e volta as suas origens artísticas, de onde nunca deveria ter saído.
Nossos ministérios se resumem a dois tipos de ministros infelizmente. A maioria indicada por deputados, senadores e aliados políticos da base do presidente. Quase todos sem a mínima qualificação para ocupar tão importante cargo. A minoria são como Gilberto Gil, nomes de apelo popular nacional e até internacional que não fazem nada daquilo que sua trajetória indicaria que fizesse.
Resumindo, conta-se nos dedos de uma só mão, os verdadeiros ministros competentes, técnicos de qualidade, profissionais de alto gabarito. Esses, aliás, são os primeiros a serem torçados quando surgem necessidades de remanejamento na base aliada do governo.