9 de maio de 2009

Eles estão em toda parte no Brasil


“Se a gente quiser modificar alguma coisa,
é pelas crianças que devemos começar"
Ayrton Senna

O Tribunal de Contas da União resolveu investigar os beneficiários nos programas assistencialistas e que servem exclusivamente para manter uma pesada propaganda eleitoral do governo federal. Ao fazer as checagens entre os nomes dos beneficiários em relação aos proprietários de veículos descobriu mais uma fraude Made in Brasil.
O mais importante e alardeado programa de transferência de renda do governo federal está favorecendo pessoas que possuem automóveis nacionais, importados e até caminhões. Com certeza se a pesquisa fosse mais a fundo chegaria a milhões de lares cujas pessoas poderiam estar inclusas no programa, mas passam fome.
A única coisa nesse país que funciona são as cobranças de impostos, pedágios e multas, de resto, nada é fiscalizado, a corrupção e a bandalheira correm soltas no congresso nacional e nos governos de todas as instâncias.
Para termos uma idéia dos absurdos que são cometidos nos narizes entupidos convenientemente dos nossos governantes, uma família do Sergipe havia declarado renda mensal de R$ 35 (trinta e cinco reais) por pessoa e assim, se credenciou a receber R$ 94 (noventa e quatro) reais por mês do Bolsa Família. O TCU verificou que a família pobrezinha possuía sete caminhões avaliados em R$ 756 mil reais.
Em outros casos escabrosos milhares de beneficiários aparecem como donos de motocicletas importadas, veículos nacionais e importados com valor de compra acima de R$ 100 mil reais. Como sempre a Receita Federal cujo alcance muitas vezes se limita aos avisos de pagamentos dos trabalhadores honestos não conseguiu ainda checar os participantes desses inúmeros benefícios fornecidos pelo Governo Federal.
Para participar e se credenciar como beneficiário do Bolsa Família ninguém pode ter renda acima de R$ 137,00 (cento e trinta e sete reais na família. Se tivessem cumprido esse pré-requisito básico o governo Lula teria economizado R$ 320 milhões no período de um ano somente. Mas ao invés de fiscalizar eles preferem propagandear e discursar bobagens em palanques de inaugurações e da mídia em geral.
Para “surpresa” dos auditores do TCU, ao cruzarem as informações das listas de beneficiários do programa Bolsa Família encontraram vinte mil políticos que recebem o benefício. Sim meus amigos, políticos de novo, roubando ou fraudando de novo! O prejuízo somente no mês de Fevereiro foi de um milhão e seiscentos mil reais com esses políticos.
Fora os políticos os auditores encontraram um milhão e cem mil famílias irregulares que não deveriam estar recebendo nada do governo, o prejuízo foi de aproximadamente sessenta e cinco milhões de reais aos cofres públicos. Entre elas 300 mil pessoas mortas estão constando do cadastro.
E o povo continua votando, sonhando com o país do futuro, acreditando em políticos canalhas e pensando inocentemente que as leis são para todos.

5 de maio de 2009

Verborragia inútil e imoral

“O conformismo é o carcereiro da liberdade
e o inimigo do crescimento"

John Kennedy

No espaço de um mês vieram à tona inúmeras denúncias devidamente comprovadas de crimes cometidos por parlamentares e funcionários do Congresso Nacional contra o erário. Ninguém foi demitido, cassado ou simplesmente punido, fato este que não se consiste em nenhuma novidade, apenas reforça a lista de obscenidades praticadas contra o povo brasileiro.
Agora pior do que essa impunidade sem vergonha praticada e até incentivada pelos políticos brasileiros é a conduta do nosso presidente eleito pelo voto popular. Em discurso recente o Sr. Luiz Inácio diz o seguinte: “Levar a mulher ou um sindicalista para Brasília, não vejo onde está o crime. Se esse fosse o mal do Brasil, o Brasil não tinha mal”.
Percebe-se a desfaçatez com a qual nosso presidente trata uma questão que merece abordagem séria, punições rigorosas e a cassação dos envolvidos. Digo ao presidente que em minha opinião se um parlamentar quer levar a esposa para Brasília, que se mude com ela para lá ao se eleger e tomar posse. Deixar esposa na terra natal é coisa de jogador de futebol que quer aproveitar a solteirice em terras distantes.
Quanto ao sindicalistas que o presidente diz ser normal viajar a custa do erário, vejo como a mais obscenas e imorais de todas as ilações que o presidente poderia fazer a respeito de um assunto tão sério. As centrais sindicais recebem milhões de reais e podem e devem custear viagens de seus membros à Brasília, bem como, a qualquer canto do país.
Nós, que trabalhamos, somos descontados em folha de pagamento não temos essas prerrogativas imorais, indecentes e criminosas alardeadas aos quatro cantos. Um trabalhador não pode levar a esposa à custa da empresa, seja ela privada ou estatal. Um trabalhador não pode pagar por um advogado quando tem necessidade de acompanhamento de um processo em Brasília.
Vivemos numa sociedade injusta e desigual onde os ricos tema cesso a tudo, os parlamentares tem mordomias dignas de uma príncipe da antiguidade enquanto o povo não tem sequer a saúde pública ao seu alcance e de seus familiares.
Os parlamentares ficam ricos em oito anos, os dirigentes sindicais andam de carros importados e ganham presentes como passagens aéreas, viagens ao exterior e até veículos Land Rover, os empresários próximos ao poder público estão ricos e superfaturando obras impunemente, enquanto o povo é obrigado a pagar impostos escorchantes para manter essa casta de bandidos.
O senhor Lula tem feito um governo razoável, mas quando discursa o faz com um deslumbramento acima do normal, de sua boca proliferam bobagens que não condizem com seu cargo. Discursos que não estão de acordo com sua origem, visto que abandonou as causas do povo há muito tempo, tendo exercido a função de sindicalista e político muito mais do que o foi como operário simples, que não concordava à época com essas indecências que agora acha normal.
Normal senhor presidente é o cumprimento das leis, o parlamentar lutar pelas coisas do povo e abdicar de favorecimentos escusos. Normal é um sindicalista ser mais honesto que um parlamentar e recusar favorecimentos de quaisquer ordens o tempo todo, não se deixando levar pela euforia momentânea do cargo que exerce em nome dos trabalhadores de sua base.

ONGs - Da concepção à realidade no Brasil

Com certa freqüência temos encontrado notícias de algumas Organizações Não Governamentais que recebem dinheiro do governo, sob os variados títulos, muitas vezes percebe-se que por trás da ONG estão partidos políticos, pessoas influentes do próprio governo, etc. Com isso algumas organizações acabam virando noticia em páginas policiais, por fraudes, desvio de funções e de verbas públicas.
A quantia destinada pelo governo federal para as ONGs chama a atenção até dos leigos e deixam a todos preocupados, pois por trás da verdadeira essência dessas organizações podem estar os mesmos espertalhões de sempre, afinal, no Brasil onde há dinheiro sempre é preciso muito cuidado, pois cedo ou tarde golpes viram ao conhecimento público.
As organizações chamadas de Organizações Não Governamentais conhecidas pelo acrônimo ONG, são associações do terceiro setor da sociedade civil sem fins lucrativos, que se declaram com finalidades públicas e que agem em diferentes áreas da nossa sociedade. Estão na defesa do Meio Ambiente, do Menor, do consumidor, etc.
O sociólogo Betinho assim definia as organizações não governamentais: “Uma ONG se define por sua vocação política, por sua positividade política: uma entidade sem fins de lucro cujo objetivo fundamental é desenvolver uma sociedade democrática, isto é, uma sociedade fundada nos valores da democracia – liberdade, igualdade, diversidade participação e solidariedade. (...) As ONGs são comitês da cidadania e surgiram para ajudar a sociedade democrática com que todos sonham”.
Recentemente a empresa Petrobrás torrou um milhão e quatrocentos mil reais no nordeste através de uma ONG, cuja vice-presidente é membro do Partido dos Trabalhadores no local. A discussão é por que uma ONG deve intermediar um assunto que a empresa pode facilmente licitar ou contratar ou até comprar com seu próprio esforço e pessoal?
É sabido que uma ONG não tem valor jurídico no Brasil, é também por demais sabido que as mesmas podem complementar o trabalho do Estado, entretanto o que é imoral e pode ser ilegal é a participação conveniente de pessoas ligadas a interesses escusos travestidas de ONGs. Isso precisa ser apurado e passado a limpo pelo Ministério Público o mais rápido possível.
Algumas pessoas que manipulam o erário no Brasil perderam a vergonha por completo e se utilizam de quaisquer mecanismos para obter verbas públicas ou até privadas. Não existe discernimento e essa gente quer roubar o mais que conseguir alcançar. Nesse sentido é preciso que consigamos distinguir o joio do trigo, separando e punindo aqueles que venham a denegrir a imagem das organizações (maioria) sérias que atual por causas sérias no país.