22 de outubro de 2009

Mais um crime cometido pela nossa justiça

“A justiça atrasada não é justiça, senão injustiça qualificada e manifesta"
Rui Barbosa


Esse é um dos maiores exemplos de que vivemos num país recheado de leis, sem fiscalização, sem comprometimento do poder público e com a maior impunidade do planeta. Esse exemplo mistura a falácia da chamada Lei Seca em conjunto com a fragilidade de decisões tomadas sem a mínima inteligência por alguns de nossos juízes.
Na madrugada do dia dezesseis de abril, na movimentada Savassi em Belo Horizonte, bairro que concentra muitos bares e points da juventude mineira. Um acidente de automóvel chama a atenção, primeiro pela violência e os danos causados, tanto materiais como as seqüelas que ficaram após o mesmo.
Um francês naturalizado italiano com visto de turista está ao volante de um dos carros, aquele que estava em alta velocidade e cruzou o farol no vermelho, ou seja, o causador do acidente. Atinge em cheio um veículo com cinco jovens que voltavam de uma festa.
Os jovens são internados em um hospital em estado grave, uma das jovens está praticamente vegetando numa cama junto aos seus familiares. Os outros conseguiram escapar com vida. O monstro que dirigia o carro, não tinha sequer habilitação para estar dirigindo no Brasil, estava alcoolizado e por isso foi preso.
O monstro Olivier Rebelastri foi acusado pelas autoridades policiais por lesão corporal culposa, embriaguês ao volante, falta de habilitação. O processo foi então enviado a justiça. Começa o show de arbitrariedades e absurdos que só acontecem no nosso país, fosse um jovem brasileiro que fizesse o mesmo na França ou Itália teria sido preso, julgado e condenado a cadeia por bom tempo.
Mas aqui no paraíso da impunidade e da desfaçatez, onde apenas os mais pobres são condenados e cumprem prisão, o franco italiano pagou R$ 5.937,00 a titulo de fiança e foi responder seu processo em liberdade. Seu passaporte foi retido, mas em seguida liberado por um juiz da nossa melhor xepa de magistrados.
No dia seguinte o meliante com a providencial ajuda do intrépido magistrado mineiro fugiu para seu país são e salvo de nossa justiça. Está vivendo sua vida tranquilamente sem se preocupar com nada em nosso país de terceiro mundo e cuja justiça ainda não chegou a esse patamar e está no quinto mundo provavelmente.
Não adianta alguém dizer que o Juiz cumpriu as leis, bobagem, justiça não é isso, repito, vá cometer esse ou qualquer outro crime em terras do primeiro mundo. Nos EUA a fiança não é essa indecência que temos aqui, essa imoralidade. Lá o juiz taxa em milhões de dólares um criminoso do colarinho branco. Até celebridades são presas e quando condenadas cumprem pena como qualquer cidadão.
O que aconteceu na Savassi precisa ser revisto por nossos juristas, pois não adianta fazer propaganda da Lei Seca se a justiça libera os criminosos em seguida. Esse juiz deve explicações à família dos envolvidos, bem como a toda sociedade mineira.

19 de outubro de 2009

RJ 2009

Uma guerra entre narcotraficantes da “comunidade” do Morro dos Macacos e “comunidades” rivais deixaram um saldo de vinte mortos, sendo três policiais, quatorze bandidos e três inocentes, além de dezenas de feridos. A guerrilha urbana abateu a tiros um helicóptero da policia militar que sobrevoava o local onde se realizava um intenso tiroteio entre criminosos de “comunidades” diferentes.
Além das vidas e do sossego dos moradores a guerrilha proporcionou a queima de dez ônibus em bairros diferentes, provando que o poder está nas mãos dos bandidos na cidade olímpica RJ/2016. O dinheiro empregado na obsessiva campanha pela conquista da sede olímpica poderia ter sido investido em segurança pública para ao menos tentar evitar episódios lamentáveis como esse.
Agora a Inês é morta e os policiais também, mais três membros da brigada da policia militar sucumbiram diante do terror que vem dominando a cidade maravilhosa. São anos de domínio sem que os governantes fanfarrões tomem alguma medida eficaz. A prefeitura, governo estadual e o poder federal são culpados pelas mortes, pela droga e pelas armas de fogo que entram e saem impunemente das “comunidades” cariocas.
Ao invés de educação, saúde e segurança eles sempre optaram por jogos pan-americanos e olimpíada, para assim poderem movimentar vultosas verbas de bilhões de reais que irão compor o orçamento faraônico de obras e desvios sem fim.
Uma cidade maravilhosa que precisa de reurbanização urgente, que carece de saneamento básico, que não oferece aos seus cidadãos a mínima segurança de ir e vir em suas ruas, uma cidade sem leis, sem transporte público digno e onde a saúde pública está à mercê de um sistema falido.
Pois é nesta cidade que vive um de seus piores pesadelos que dias atrás milhares de pessoas se regorjearam pela escolha como sede olímpica em 2016. Quem acredita que esse caos irá mudar somente com a escolha da cidade como sede olímpica ou está bêbado ou não conhece a raiz ética de nossos governantes.
O prefeito é um brincalhão deslumbrado com o poder acrescido de uma dose cavalar de ufanismo. O governador não disse ao que veio, pelo menos não em obras, seriedade e trabalho para resolver os muitos problemas que o seu Estado possui. O presidente Lula ficará sabendo do ocorrido provavelmente durante uma das suas milhares de viagens.
Nenhum dos três juntos com o poder judiciário oferecerá algo que possa transformar essa guerrilha urbana em algo próximo do que o mundo convencionou chamar de cidade maravilhosa. A criminalidade está enraizada nos morros cariocas assim como os rios correm para o mar.
A impunidade proporcionada por nosso sistema judiciário aliada a moleza que nosso sistema penitenciário proporciona aos bandidos geram a sensação de que ser preso eventualmente é apenas um breve interromper de atividades, um até breve para os criminosos. Os bandidos são tratados com todo respeito pelos direitos humanos e pela justiça, ao passo que os cidadãos honestos são mortos por balas perdidas e governantes sem rumo.

4 de outubro de 2009

Deputados preocupados com a economia

Nossos deputados federais, aqueles que ficam em Brasília sempre tão zelosos pela ética, pelos bons costumes, pela honestidade acima de tudo, cuidadosos ao extremo com o decoro parlamentar, resolveram agora zelar também pela economia do nosso país. Acabam de aprovar em primeiro turno uma Lei que transfere os feriados que caírem de terça à sexta para as segundas feiras.
Incrível por que a segunda feira é um dos dias que os deputados mais gostam de faltar ao plenário. Chegam de seus Estados sempre as terças, o outro dia campeão de faltas é a sexta feira, quando retornam para suas mansões em outros Estados brasileiros.
Pois esses senhores que faltam dois dias por semana resolveram nos únicos três dias que teoricamente ficam em Brasília, mexer com a paciência do povo, principalmente dos trabalhadores e estudantes do país inteiro.
Gostem ou não, os feriados jamais foram idealizados pelo povo, quem os instituiu foram os próprios políticos sejam eles do legislativo ou do executivo. Agora resolvem querer moralizar algo que não é imoral, pode ser que em alguns anos pesem no calendário, mas nem se compara com a corrupção, com o desperdício, com a desfaçatez, com a insegurança pública, com a elevada carga tributária, com a fome e o analfabetismo.
Os deputados ao invés de trabalharem pelo país, pela nossa gente, resolveram de uma só vez votar coisas que irritam qualquer brasileiro. Aprovaram a elevação do número de vereadores, permitindo que quase oito mil políticos possam emergir das trevas sem que haja necessidade.
Em seguida estão tratando na surdina da volta da CPMF, com novo nome, mas igualmente indecente. São eles também que estão tentando de todas as formas barrar as reformas necessárias para coibir gastos abusivos no processo eleitoral.
São os parlamentares que ao invés de fiscalizarem a si próprios e o congresso, visto que há muito tempo não fiscalizam o poder executivo, sendo em sua grande maioria fiadores de todas as medidas baixadas pelos governantes, deixando atônitos aqueles que têm acesso ou se interessam pelas coisas da nossa pátria.
Ao transferir feriados do meio da semana para as segundas feiras, eles acabam decretando mais um absurdo entre tantos, como algumas leis inócuas e sem necessidade alguma em nosso país.
Se quiserem mesmo economizar e moralizar alguma coisa, os parlamentares deveriam aprovar uma Lei que reduza suas férias de sessenta dias ao ano para quinze dias no máximo. Se quiserem dar exemplo que abram mão dos muitos benefícios espúrios e obscenos que fazem parte da fortuna que recebem anualmente.

O futebol nas mãos dos executivos da Globo

Desde criança sempre ouvi os comentaristas, técnicos, jornalistas esportivos opinarem favoravelmente a adoção dos campeonatos por pontos corridos, onde o vencedor é aquele que chega após a última rodada com maior número de pontos conquistados. Depois de décadas finalmente a CBF resolveu instituir o Campeonato Brasileiro por pontos corridos, assim como já o faziam os países do chamado primeiro mundo.
A partir de 2003, o campeonato começou a ser disputado em sua primeira divisão dessa forma. No começo, incerteza, medo de uma virada de mesa, falta de adaptação ao novo esquema de disputa, mas enfim, tudo sendo superado e o campeonato ganhando cada vez mais em competitividade, credibilidade e qualidade.
Com a adoção dos pontos corridos, os clubes puderam enfim, executar um planejamento em longo prazo, contratando atletas de ponta sabendo de antemão que a duração do campeonato era fixa, a tabela previamente divulgada no final do ano anterior, os técnicos poderiam traçar suas estratégias e formatarem esquemas de jogo e de preparação adequada aos seus atletas.
Os campeonatos de 2003 até o atual em 2009 foram crescendo no gosto popular, a presença de público é inquestionável e os clubes estão plenamente adaptados às regras estabelecidas. Além do mais, a CBF instituiu de forma clara, acesso e o rebaixamento para as divisões inferiores, criando assim a segunda, terceira e quartas divisões do nosso futebol de forma clara, objetiva e dentro das regras do futebol mundial.
Depois de toda essa evolução, de toda essa melhora e essa busca da colocação do futebol nacional nos níveis europeus de qualidade e competitividade, vem à surpresa nos bastidores para tentar dar um golpe à “La Zelaya” nos clubes e no público espectador do nosso futebol.
Esse golpe está sendo arquitetado nos corredores imorais da Rede Globo de Televisão, através de seus geniais executivos de marketing, esportes e outras bobagens televisivas. Querem que o futebol brasileiro regrida e volte aos tempos em que não havia pontos corridos. Ou seja, um torneio onde ao final de uma etapa em que todos jogariam contra todos em turno único, classificando-se os dezesseis melhores para que sejam eliminados até que se chegue a grande final.
A Globo alega que sua audiência está caindo, mas não revela o verdadeiro motivo, com certeza não é o modelo do campeonato que afasta a audiência e sim a falta absoluta de capacidade da emissora de aceitar a vontade popular nas suas escolhas de jogos e horários.
Obrigar os clubes a jogarem em horários como nas quartas feiras às 22:00 hs, punindo os torcedores e os telespectadores que no dia seguinte ao contrário dos políticos tem de acordar cedo para trabalhar é monstruoso. Sua grade é mais importante que o público e os futebol brasileiro. Agora quer dar o golpe alegando baixa audiência e desinteresse. Pois basta fazer uma pesquisa séria e todos saberemos que essa alegação é mentirosa e estapafúrdia.
Não é a toa que muitos torcem para que um dia outra emissora consiga dividir ou tirar da Vênus platinada o direito às transmissões do campeonato brasileiro de futebol. Apesar da qualidade técnica e de imagem da emissora, seus mandatários são retrógrados e não prezam o torcedor.