26 de novembro de 2010

A morte da Justiça anunciada pelos sinos

Mais uma vez tomo a liberdade de me ater a um excelente texto do inesquecível José Saramago, escritor da humanidade que nasceu em Portugal. Trata-se de um texto lido na Cerimônia de encerramento do Fórum Social Mundial de 2002, chamado “Este mundo da injustiça globalizada”.

O texto descreve um fato notável ocorrido na vida camponesa no Século XVI nos arredores de Florença na Itália. Estavam os camponeses a trabalhar em suas casas e no cultivo, entregues a seus afazeres quando de súbito se ouviu soar o sino da igreja. Naqueles piedosos tempos os sinos tocavam várias vezes ao longo do dia.

Mas causava estranheza que o sino tocava em virtude de um falecimento e ninguém havia falecido naquela aldeia que pudesse fazer com que o sino assim soasse. Todos saíram às ruas, mulheres, crianças, homens que deixaram as lavouras e em pouco tempo estavam todos reunidos no adro da igreja.

Instantes depois para surpresa de todos os presentes, um camponês aparece e não era o sineiro. Diante da indagação dos camponeses, o homem afirmou que na ausência do sineiro ele havia tocado o sino. Mas quem morreu então pergunta um camponês? Não morreu ninguém, ao menos ninguém que tivesse nome e figura de gente, toquei o sino em virtude da morte da Justiça, pois a nossa Justiça está morta.

Aqui no Brasil no ano de 2010 temos a exata sensação daqueles camponeses do século XVI, o sentimento inabalável de que nossa justiça no Brasil morreu. Ela é velada diariamente por gente humilde, por ricos nababescos, por todos enfim, numa prece continua e de muito sofrimento para a nossa Nação.

Ela morre a cada dia e não renasce, pois quando respira ofegante e condena, por exemplo, um médico a cumprir pena de 278 anos, no mesmo momento antes dele sair do tribunal algemado, já está solto, para permanecer em liberdade enquanto seu advogado consegue um lindo recurso para que o monstro da medicina possa ficar em casa sossegado aguardando assim como o criminoso Pimenta Neves seu recurso sair da gaveta do judiciário.

A justiça morre quando percebemos que os trabalhadores são tratados de forma desigual e desumana pela justiça trabalhista que deveria a princípio defender os direitos do trabalho.

Outro dia o STF reformou uma sentença aonde o trabalhador havia vencido por unanimidade. A empresa havia entrado com embargos declaratórios e mesmo assim obteve ganho de causa, quando o aludido instrumento não serve para esse propósito.

As pessoas menos favorecidas nem sabem que a justiça existe, pensam que ela morreu no século dezesseis como no texto de Saramago. Isto por que a população sabe que mesmo que cometessem o mesmo crime pessoas pobres e pessoas ricas têm direitos diferentes dentro das mesmas leis e dos mesmos tribunais.

Os mais humildes sabem que jamais poderão pagar um advogado para defendê-los nas instâncias superiores em Brasília, assim como o fazem deputados, empresários e a casta nobre do país.

Nossa justiça pende para um lado da nação, nossa justiça se contradiz nos seus processos empoeirados que traduzem a perversa lógica do quanto pior melhor para ela, que agoniza, que morre e que não renasce. A espera do resultado de processos por décadas é o atestado de óbito de uma justiça que morre todos os dias no Brasil.

21 de novembro de 2010

Futebol delivery ou SPFC in box

No futebol brasileiro sempre que o campeonato nacional chega a sua reta final alguns confrontos podem decidir o resultado do campeão, dos classificados a Libertadores da América ou então dos times a serem rebaixados à segunda divisão. Neste momento a rivalidade regional e os torcedores sem ética e inteligência começam a defender que seus clubes percam este ou aquele jogo para arruinarem seus adversários diretos.

Notoriamente isto vem acontecendo com mais frequência em SP, onde existem quatro clubes grandes disputando todos os anos o título e onde a rivalidade beira a criminalidade, praticada por torcidas organizadas que não fazem inveja a PCC ou CV.

Pois a estes elementos se juntaram agora anônimos torcedores “ilustres” que querem que os jogadores de seus clubes joguem para perder, recebam salários altíssimos para não cumprirem com sua única obrigação.

No campeonato atual o Santos não disputou o segundo turno com a mesma dedicação, visto que como Campeão da Copa do Brasil, estava saciado, previamente alçado a próxima disputa da Libertadores e ainda campeão estadual. O Palmeiras tropeçou demais pelo caminho e viu na disputa da Copa Sulamericana uma chance de também estar na Libertadores de 2011. Logo escala reservas e não dá a mínima ao Brasileirão.

Restaram então Corinthians e SPFC, o primeiro disputa o titulo e está nas primeiras colocações desde o começo do campeonato, sem ficar uma rodada sequer entre os três melhores times do nacional. Já o SPFC não teve um ano brilhante, perdeu todos os campeonatos que disputou, trocou de técnico três vezes e sucumbiu a falta de organização.

Entretanto no ano passado, a situação era inversa, o SPFC estava disputando o título e o Timão fora da disputa. Na penúltima rodada o Corinthians perdeu para o Flamengo em Campinas, jogo cuja alteração de mando foi exigida pela Polícia Militar de SP.

Com a derrota do Corinthians os tricolores reclamaram e reclamam até hoje que se não fosse isso seriam campeões. Mas não foi bem isso o que aconteceu, senão vejamos:

No campeonato o SPFC perdeu do Timão de 3x1 no primeiro turno e depois empatou 1x1 no segundo turno, logo perdeu quatro pontos para o rival. E no mesmo dia e horário o SPFC perdeu vergonhosamente para o fraco Goiás em Goiânia por 4x2.

Completando somente neste três jogos um prejuízo de sete pontos, sendo que a diferença final entre SPFC e Flamengo foi de apenas e tão somente dois pontos. Se tivesse feito sua parte o SPFC teria sido campeão independente dos adversários e rivais diretos.

Este ano, acontece a mesma coisa, só que com a inversão da situação na tabela, os torcedores do SPFC pedem a seu clube que percam do Fluminense, que está disputando o título com o Timão, para assim prejudicarem o Corinthians.

Esse sistema delivery de entregas de pontos é prejudicial aos patrocinadores que podem eventualmente terem suas empresas ligadas a desonestos, mentirosos, antiéticos e muito mais. Os jogadores que aceitarem perder para prejudicar podem amanhã ou no futuro perderem para sacanear seus próprios clubes, afinal receberam a ordem um dia, não é mesmo?

Alguém na CBF ou no STJD precisa acabar com isso, ou o campeonato em breve não terá moral alguma, não sobreviverá e nenhuma televisão irá querer apostar suas fichas num esporte que pode ser decidido por pedidos espúrios ou por chantagens de trogloditas organizados.

18 de novembro de 2010

A história sempre se repete

No sábado passado, dia 13 de novembro de 2010, o campeonato brasileiro chegou a sua 34ª rodada, restando após a mesma apenas mais três jogos para cada um dos vinte clubes da primeira divisão do futebol penta campeão do mundo.

No estádio Paulo Machado de Carvalho em SP, o time do povo enfrentava o antigo Palestra Itália mineiro, que depois da II Grande Guerra virou Cruzeiro. Jogo decisivo, pois as duas equipes estavam com a mesma pontuação em segundo e terceiro lugar respectivamente no campeonato.

Ao final de um jogo tenso, nervoso e com poucas chances reais de gol, onde o time mineiro foi ligeiramente superior, deu Corinthians pelo placar de 1x0. O gol saiu no final da partida através de uma penalidade máxima cometida pelo zagueiro do Cruzeiro sobre Ronaldo. Ele mesmo bateu e fez o gol da vitória.

Após o pênalti, os jogadores do time mineiro começaram (instigados pelo seu comandante Cuca) a ofender o árbitro e partirem para provocações desnecessárias no que tange ao esporte em si. Um jogador foi expulso de campo e outro (Fabrício) saiu de campo por conta própria, desrespeitando sua equipe e seus torcedores.

Erros já deram vitórias e causaram derrotas a todas as equipes do mundo, no futebol brasileiro que possui grandes times, ótimos jogadores e péssimos árbitros, isso ocorre com grande frequência, ou seja, erra-se mais, prejudica-se mais e o choro é praticamente certo ao final de cada partida ou campeonato.

O pior de tudo é ver jogadores que já atuaram em SP, levantarem suspeitas que na sua mísera ignorância jamais poderão provar na frente de um tribunal. Os mesmos jogadores que ao vencerem uma partida com erros de arbitragem saem de campo e vão para a balada comemorar sem dor na consciência aquela vitória.

O time alvinegro paulista jogou em Campina duas semanas antes e teve dois gols de Ronaldo anulados de forma incorreta, não vi nenhum jogador nem o técnico e muito menos dirigentes do clube terem chilique após o jogo. Também não vi ninguém levantando suspeitas contra este ou aquele clube que poderiam estar sendo beneficiados com aquele resultado.

Nesta semana pós-jogo tão polemico recebi pela internet um vídeo que mostra que o Cruzeiro foi inúmeras vezes beneficiado por erros das arbitragens. Foram pelo menos 19 jogos em que o time alviceleste teve erros capitais que o ajudaram a estar em terceiro lugar no campeonato. Sem que em nenhuma oportunidade algum dirigente tenha suposta armação ou favorecimento à equipe mineira.

O link mostra o indignado técnico cruzeirense esmurrando a mesa na entrevista coletiva, assim ele o fez no RJ quando dirigia o Botafogo e perdia para o Flamengo, assim também fez em outros clubes ao perder um campeonato, virando marca registrada: http://www.youtube.com/watch?v=LRMb_Fns06o&feature=player_embedded

O Corinthians ficou de 1955 a 1977 sem vencer um grande campeonato, desde 1960 jamais venceu uma Libertadores da América, mesmo assim, alguns menos favorecidos de inteligência, sempre que o time alvinegro conquista um título correm arrumar desculpas estapafúrdias para justificar o injustificável.

Tenho certeza absoluta que o futebol precise urgentemente de avanços tecnológicos para auxiliar na marcação de faltas, saídas de bola, gols e também da mudança de algumas regras centenárias que a obsoleta FIFA insiste em não alterar. Só assim e com o rigor de tribunais esportivos poderíamos ter campeonatos sem tantos problemas e onde os derrotados pudessem voltar para casa tendo a certeza que o placar adverso foi apenas um placar adverso.

O dinheiro do povo está indo para o Esgoto

“Nunca se mente tanto como antes das eleições,
durante uma guerra e depois de uma caçada"
Otto Von Bismarck


Quando me foi imposto pelo município ser descontado em minha conta de água um valor de quota (20%) destinado a futura FTE - Estação de Tratamento de Esgotos, confesso que pensei na ocasião, mais um dinheiro do povo a fundo perdido estará sendo gerenciado e aplicado sem controle algum da coletividade.

O tempo senhor da razão passou, mas a verdade que sempre vem à tona deixa claro agora pelos noticiários locais que o dinheiro conforme eu desconfiava está sendo utilizado para compra de veículos e outras finalidades que agora vem a nossa mente.

Provando que não dá para confiar em políticos de forma alguma, nem nos mandatários nem tampouco nos asseclas, nos apaniguados que tem poder ilimitado nem nos aspones e dirigentes de companhias e autarquias, ninguém, absolutamente ninguém merece a confiança do povo.

Usar uma verba que poderíamos afirmar ser sagrada para a sociedade e ainda por cima desviá-la para a compra de veículos, coisa para a qual existem verbas próprias, orçamentos pré-aprovados é falta de respeito, é a arrogância de dirigentes que acham que podem tudo perante o povo, eles sabem que perante a justiça podem mesmo, nunca são molestados, nunca precisam devolver nada.

Passados alguns dias da denúncia no JC de Bauru, nada foi feito na Câmara, nem em lugar nenhum, lembrando o escândalo já esquecido da AHB, aquela que ninguém sequer pronúncia o nome e que está nos porões da justiça à espera de um belo e lindo arquivamento, pois devolver o dinheiro ninguém vai mesmo.

O prefeito está calado, como de praxe nestas horas, o alcaide se finge de morto convenientemente, a autarquia finge que não é com ela, não vi nem li nenhuma mensagem na tentativa de esclarecimento a população, nadinha mesmo. Assim funcionam as coisas na política brasileira, assim caminha a carruagem da mediocridade.

Caberia aos vereadores eleitos tomarem providências, pedirem explicações, se não o fizeram serão aos olhos do povo coniventes com essa situação e poderão com certeza serem julgados pelo povo daqui a dois anos, passa rápido, tão rápido quanto passou a cobrança desta tal de FTE.

Com tudo isso se algo não for feito, se uma explicação formal não for dada pelas autoridades fica a certeza que Bauru continuará por muitos e muito anos sem Estação de Tratamento de Esgotos, algo muito mais importante e relevante que jogos abertos do interior.

6 de novembro de 2010

Diga "NÃO" a CPMF ou a qualquer outro imposto no Brasil

Por enquanto treze políticos traidores colocaram a cara para fora do seus palácios para se pronunciarem a favor da recriação da maldita CPMF. Aquele imposto que arrecada bilhões, não é usado para a finalidade que eles preconizam nem nunca foi, quando muito serve para que os arrecadadores oficiais de tributos possam não mais colocar dinheiro público para a saúde no orçamento da nação e substitui-lo pela CPMF, ao invés de acrescentar os mesmos aos recursos legais existentes. Os políticos são os seguintes:
ITEM  GOVERNADORES    PARTIDO    ESTADO
01      Tião Viana                  PT          AC
02      Jaques Wagner           PT           BA
03      Tarso Genro               PT           RS
04      Marcelo Déda             PT           SE
05      C. Capiberibe            PSB         AP
06      Cid Gomes                PSB         CE
07      R. Casagrande            PSB         ES
08      Ricardo Coutinho       PSB         PB
09      Eduardo Campos        PSB         PE
10      Wilson Martins           PSB         PI
11      Antonio Anastasia       PSDB       MG
12      André Puccinelli        PMDB       MS
13      Sinval Barbosa           PMDB       MT

A eleição não terminou em 31 de outubro, muito ao contrário, ela apenas começou, precisamos largar na frente destes senhores feudais que esconderam covardemente este e outros assuntos importantes em seus Estados para agora manifestarem apoio a essa indecência, essa imoralidade chamada CPMF. E por que estes governadores fizeram isto agora?

1. Primeiro por que são covardes e queriam fugir do assunto antes da votação;
2. Segundo por que estão dando um aviso sonoro aos deputados eleitos em seus Estados para que fiquem atentos e votem pela posição deles. Dane-se o povo!.

Então temos de agir com rapidez e com insistência junto a bancada dos deputados e senadores dos partidos alinhados acima, para entupirmos suas caixas postais de mensagens contrárias a essa obscenidade chamada aumento de impostos no Brasil.

Os endereços de e-mail dos partidos cujos os governadores já manifestaram posicionamento contra o povo são os seguintes:

PSB: psb@psbnacional.org.br
PSDB: tucano@psdb.org.br
PT: Acre - http://www.ptac.org.br/
Bahia-http://www.ptbahia.org.br/
R. G. Sul - http://www.ptrs.org.br/
Sergipe - http://www.prse.org.br/ - Ao entrar nos sites, procure por contato e mande sua mensagem a eles, já que é o PT é único partido que não disponibiliza endereços de e-mail.
PMDB: pmdb@pmdb.org.br

A partir de Fevereiro/11, com a posse do novo Congresso Nacional devemos entupir a caixa postal das lideranças dos partidos que estiverem na ocasião em defesa da indefensável CPMF ou quaisquer outros impostos a serem criados seja com que nome for e com a finalidade que tiverem.

Para isso é simples, basta acessar a página da Câmara Federal - www.camara.gov.br E procurar pela liderança dos partidos ou se preferir enviar diretamente para quem você votou ou ainda para os deputados que se manifestarem a favor da CPMF. No Senado www.senado.gov.br devemos agir da mesma forma.

Não importa em que votamos, se votamos nulo, branco ou se nos abstivemos de votar, esse é um problema nosso, a cobrança independe deste fator, somos mais importantes que eles, então devemos fazer valer nossa força e opinião.

Aqueles que puderem procurem em suas cidades entidades sérias que defendam o cidadão, o eleitor e a cidadania mostre a eles sua indignação contra qualquer tipo de pressão para aumentar um imposto qualquer em nosso país.

Aqui em Bauru tenho a honra de participar da Batra - Bauru Transparente (www.bauru.org.br). Existem muitas entidades sérias neste nosso país, no site da Batra acesse links e veja a relação de com algumas delas. Ou se quiser entre no Google e procure alguma outra pois existem várias. Usem a imprensa, enviem cartas, artigos, manifestem livremente sua contrariedade contra essa atitude espúria de parte dos nossos políticos.

Abaixo segue uma mensagem que enviei ao PSB:

Um abraço a todos e se concordar com isso envie e conclame seus amigos a repassarem esta minha mensagem ao maior número de pessoas possível

Rafael Moia Filho
_________________________________________________
Ao PSB – Nacional

Com relação à manifestação democrática do Governador Reeleito Eduardo Campos – PE, sobre a volta da CPMF, gostaria de tomar a liberdade para expressar um sentimento que além de meu, com certeza é da maioria absoluta do povo brasileiro. Sendo assim:
1. A CPMF foi criada, ou melhor, idealizada por Adib Jatene, médico ultra conceituado que pensou poder contar com verba extra e necessária para resolver os problemas da Saúde Pública nacional;
2. Entretanto, após, implantada no governo FHC, jamais ela foi usada para tal finalidade, ou pelo menos, foi usada isoladamente, pois o governo na ocasião excluiu as verbas orçamentárias que compunham a contabilidade da Saúde. Lula seguiu à risca a receita;
3. Esse foi então o primeiro equívoco, pois se na ocasião a verba era pequena, com o aporte da CPMF poderíamos ter uma Saúde Pública de qualidade, entretanto, o que se fez foi substituir a verba existente em orçamento pela contribuição extra da sociedade.
4. Vejo que a recriação da mesma ou de qualquer outro imposto deva merecer antes de mais nada uma profunda discussão, e por que não, da coragem dos nossos políticos para a implantação da tão sonhada Reforma Tributária. Nossa classe política que também paga impostos deveria lutar para acabar com as imensas desigualdades, bi-tributação, impostos cuja finalidade se confunde com interesses que passam longe do povo brasileiro. É preciso simplificar para poder arrecadar ainda mais, deixando sonegadores na cadeia e fazendo com que devolvam ao erário o que roubaram.
5. Como o PSB já sabe, a sociedade não aguenta mais pagar tantos impostos, além de não suportar mais ver cair pelo ralo, verbas preciosas que poderiam ser utilizadas de formas inteligentes, honestas em prol do povo mais carente de nossa terra.

Sendo assim, conclamo o PSB a lutar pela Reforma Tributária antes de pensar na implantação de quaisquer impostos no Brasil. O povo brasileiro estará atento, podem ter certeza disso.

1 de novembro de 2010

Por que José Serra perdeu a eleição?

A campanha política para definição do novo presidente do Brasil em 2010 foi seguramente uma das piores de todos os tempos desde que a nossa república foi instaurada. Baixaria, acusações toscas, discussões imbecis, fuga completa dos verdadeiros assuntos que interessavam a Nação.

Desvio proposital da agenda política para a uma agenda religiosa ou de cunho sexual, um lixo completo. Mentiras em profusão proferidas pelo candidato que estava em segundo lugar, omissões e mentiras da primeira colocada, enfim, o povo foi colocado à margem do processo.

A candidata que representa os últimos oito anos de gestão se comportou de maneira insegura, demonstrando não ter o mesmo conhecimento e carisma de seu líder político e antecessor. Vacilou durante muitos momentos da campanha, não apresentou com clareza seu projeto de governo, deixando claro que, não vai mudar nada, será um Lula de saia. Pouco, muito pouco para quem esperava mudanças, melhorias, avanços reais e não mentirosos a serviço de seus sonhos pessoais.

O candidato do PSDB paulista, dono da sigla, pois somente os paulistas servem para ser ungidos a cargos importantes, essa ao menos é a mensagem que o eleitor inteligente compreende, afinal é a quinta eleição a Presidência que alguém de SP assume o desafio, demonstrando claramente que não existem na ótica tucana paulista companheiros do partido no Brasil que possam representá-los. Não fez diferente de sua concorrente.

O José Serra não discutiu assuntos sérios como a divida interna, reformas políticas, a reforma tributária, a troca de programas assistencialistas por programas baseados numa economia sustentável com geração de empregos.

Ele não disse uma vez sequer que não iria recriar a CPMF, nem tão pouco prometeu diminuir a carga tributária que incide sobre a classe média, omitiu tudo e mais um pouco.

Apelou para questões religiosas, beijou imagens e ao mesmo tempo se aliou com setores nefastos da religião, virou um homem das mil e uma faces religiosas, de manhã beijava santos e a noite participava de cultos onde às imagens não são aceitas. E ainda prometeu aos evangélicos um posicionamento contra união de homossexuais, para depois se colocar a favor no dia seguinte.

Prometeu aumentar os ministérios quando até o Tiririca sabe que temos ministérios inócuos demais. Não falou em redução da máquina obesa federal, não discutiu nada com seriedade e a profundidade necessária.

Talvez por isso também tenha perdido as eleições, por omissão, por medo e por usar intolerância religiosa onde se pedia apenas idéias diferentes.

Acusou sua opositora e o presidente de corrupção em suas gestões, mas nunca provou ter agido diferente quando pode como prefeito e governador de SP. Aliás, seu partido em 16 anos jamais o fez. Sete dezenas de CPIs arquivadas é recorde mundial e vai para o Guiness Book.

Nem Dilma será a presidente que esperávamos e merecíamos nem Serra fará falta por ter perdido a eleição por sua culpa. Culpar os pobres que votaram na Dilma é ridículo, afinal, se fosse assim teria muito mais votos no Sul e Sudeste do que teve. Serra que não é um político simpático nem mesmo dentro de seu partido. Que o digam Aécio e Geraldo Alckmin, perdeu para sua campanha que beirou o ridículo..

E mesmo por que, Serra acusou os adversários de usarem programas assistencialistas de forma eleitoreira, antes dele mesmo prometer que iria ampliar e criar até um 13º para o Bolsa Família, neste momento, não dava para acreditar em mais nada.

Se não discutiu com profundidade as questões cruciais, se prometeu absurdos que deveria suprimir, se faltou com a verdade, se tropeçou na missa e caiu no culto, não tinha mesmo condições de ser Presidente, perdeu para si próprio.

O PSDB perdeu por que escolheu o candidato errado e não por que o povo não soube votar, que isso fique claro, pois o mesmo povo, escolheu FHC por oito anos e o próprio PSDB por vinte anos em SP sabendo votar.