24 de dezembro de 2010

Bodas de Prata da Ineficiência

O processo de redemocratização no Brasil teve seu auge em 1985, quando Tancredo Neves foi eleito por um colégio eleitoral restrito ao Congresso Nacional, ficou gravemente enfermo e veio a falecer tomando posse seu vice, José Sarney.

Em 2010 completamos vinte e cinco anos deste fato, comemorando bodas de prata e não tendo na verdade muitos motivos para festejar. Alguns avanços na telefonia a preço de ouro, alguns avanços na economia a custo altíssimo para a classe média e muito pouco, além disso, no horizonte.

A infra-estrutura sofreu em parte uma cisão com a privatização de muitos setores integrais ou parciais pelo governo federal e alguns governos estaduais. O resto foi empurrado pela barriga dos nossos péssimos governantes ao longo deste período. De Sarney a Lula, passamos por Collor, Itamar Franco, FHC 8 anos e Lula 8 anos.

Todos eles a sua maneira deram nomes pomposos a planos de ação que jamais ajudaram a construir e reformar nossas rodovias que estão nos dias atuais em petição de miséria. Algumas estradas no Centro-Oeste e no Norte do país se parecem com imagens de rodovias da Bolívia, Vietnã...

Os nossos aeroportos são antigos, obsoletos, perigosos e os passageiros e funcionários não têm conforto algum, não tem ligação com Metrô, trens de alta velocidade ou quaisquer sistemas de transportes rápidos, limpos e modernos. Aliás, nosso sistema aéreo é um dos piores do mundo, pagamos preços de passagem da Europa e viajamos no equivalente a um trem de subúrbio da Índia.

Os nossos portos são igualmente obsoletos e ineficientes nos transporte tanto de cargas como de passageiros. Nenhum aeroporto ou porto foi inaugurado nestes vinte e cinco anos no país. Pequenas reformas e muitas promessas foi o que restou. A maioria das obras feitas nos tempos da ditadura militar sofre com a falta de manutenção e o abandono de um Estado que sabe cobrar impostos e tributos, mas não faz sua parte, não trabalha, é ocioso e vagabundo na administração pública.

O Metrô em SP ficou praticamente parado por alguns anos, andando a passos de tartaruga doente. As grandes capitais ao redor do mundo possuem centenas de quilômetros de linhas de metrô, enquanto aqui o PSDB manteve a maior cidade do país caminhando para trás.

O governo federal nunca investiu em saneamento básico na mesma medida que cobraram impostos, sua ganância para alimentar a máquina podre, corrupta e aloprada foi sempre muito maior do que a correta aplicação dos recursos em obras de saneamento para a população brasileira. Muitos ainda não possuem água potável, o esgoto corre pelas vielas escuras do país.

O cheiro deste esgoto se mistura com o odor de governantes que prometem muito e depois de eleitos torram dinheiro com desperdício, corrupção e propagandas mentirosas, quando deveriam fazer o simples, que é trabalhar e honrar o voto popular.

Imaginem que em poucos anos alguns países se tornaram verdadeiras potência mundiais, enquanto jogamos no lixo 25 anos de administração pública. Perdemos o tempo, perdemos parte da nossa esperança de ver o Brasil ser um país de verdade, justo, forte e próspero.

19 de dezembro de 2010

Médicos recém formados - Perigo à vista

O Cremesp – Conselho Regional de Medicina do Estado de SP põe a prova os estudantes recém formados em Medicina nas faculdades paulistas todos os anos. Ainda não é obrigatório como o exame da OAB, deveria ser, pois faria um imenso favor a nossa sociedade.

Desde 2005 esta prova vem sendo realizada e os resultados deste ano preocupam e muito a todos os envolvidos, pois o percentual de reprovação foi altíssimo.

Foram 68% reprovados na prova que avalia o desempenho dos estudantes de 6° ano das escolas médicas de SP, por meio de uma prova objetiva e eliminatória (1ª fase) seguida de uma prova prática que simula atendimento médico.

A prova objetiva da primeira fase tem 120 questões abrangendo nove áreas básicas de conteúdo. Para passar à segunda etapa, quando é aplicada a prova prática, é preciso acertar no mínimo 60% ou 72 questões.

Essa situação preocupa e deveria ser motivo de uma análise profunda da Cremesp em conjunto com o governo federal, precisamos reavaliar os cursos com métodos mais rigorosos e fazê-lo constantemente com os profissionais de medicina que estamos colocando nas ruas e hospitais no Brasil.

Tal qual no Direito, seria muito interessante que o Cremesp e o CRM – Conselho Regional de Medicina implantassem algumas medidas para proteger os futuros pacientes, bem como aos novos médicos. Garantindo a sociedade a qualidade daqueles recém formados profissionais de medicina. Seriam elas as seguintes:

1. Manter o exame da Cremesp, tornando obrigatório para o exercício da medicina;

2. Incluir algumas etapas antes que o novo médico possa realizar sua primeira cirurgia, assim como é feito nos EUA, estipulando uma idade ou uma experiência necessária antes que o novo profissional possa adentrar um centro cirúrgico;

3. O governo federal deveria criar um planejamento que identificasse as maiores deficiências na saúde pública para poder com competência, com salários atrativos conduzir os médicos para estas áreas carentes no interior do Brasil;

4. Neste mesmo planejamento envolvendo as Universidades Públicas e as Privadas deveriam ser incentivadas as especializações que viessem ao encontro das maiores necessidades do povo, podendo ser estudados bônus para aqueles que cursem aquelas determinadas áreas prescritas pelo Governo/Universidades.

Esse bônus pode ser em forma monetária, desconto em mensalidades, prêmios, etc. O que não pode continuar é essa situação onde formamos pessoas para cuidarem da sua saúde financeira esquecendo-se da importância de sua correta formação em medicina para atender os preceitos de Sócrates em seu juramento formal ao final de seu longo curso.

16 de dezembro de 2010

Aumento salarial no paraíso da iniquidade

O Congresso Nacional aprovou nesta data um aumento mega ultrajante as vésperas do Natal e do final de seus mandatos atuais, concedendo de quebra reajustes indecentes para outros segmentos do judiciário e até do executivo. Foram 279 votos a favor, 35 contra, 3 abstenções e duas centenas de ausências, sendo suficiente para que o país mais uma vez assistisse incrédulo o descaramento desses parlamentares inúteis.

O projeto pretende equiparar os salários do Executivo e do Legislativo ao do Judiciário. Os vencimentos dos deputados e senadores terão um reajuste de 61,8%, atualmente em R$ 16,5 mil. Já para o presidente da República e para o vice, o reajuste é de 133,9% em relação ao atual salário de R$ 11,4 mil; os ministros recebem hoje R$ 10,7 mil.

Os parlamentares, o presidente, o vice e os ministros estão sem reajuste desde 2007. A inflação no período, porém, foi inferior a 20%. Não sou contra que pessoas que tenham enorme responsabilidade em tese recebam vencimentos a altura destas, entretanto não é o caso.

Além do mais, os parlamentares e todos os envolvidos possuem benesses insustentáveis em forma direta e indireta como auxilio habitação, veículos, mordomias de todos os tipos e ordem, elevando os seus gastos para alguma indecente, imoral e que não combina com um país cujo salário mínimo é de R$ 510,00 (quinhentos e dez reais).

Ou seja, nosso salário mínimo corresponde 0,019% do que recebem os nossos nababescos parlamentares, no entanto, os assalariados não têm moradia gratuita, não possuem veículos pagos pelo povo, não podem usar telefone gratuitamente, nem possuem verbas para viajar adoidadamente para visitar familiares e amigos pelo Brasil e o mundo.

Certa vez, encaminhei a Senadores e líderes partidários desta mesma atual gestão propondo que eles utilizassem o percentual do aumento do salário mínimo para corrigir anualmente seus vencimentos, inclusive as mordomias que os acompanham (auxílios e benefícios).

Nenhum deles teve a capacidade de ao menos responder, ou a coragem de defender esse sistema nefasto e imoral que hoje utilizaram novamente. Depois alguns ainda dizem que o povo não sabe votar, o povo vota de acordo com o que tem nas mãos e das informações parcas que lhes chegam ao conhecimento.

Todos os deputados eleitos deveriam ter participado das discussões para este aumento proposto, entretanto apenas 317 estavam participando da votação. Onde estavam os demais deputados? Eles eram contra ou a favor? Omitiram-se?

Os partidos votaram assim na noite de ontem:

PARTIDO        FAVOR     CONTRA     ABSTENÇÃO

DEM                 32            01

PC DO B           07

PDT                 15            02

PMDB               62            03

PHS                 02

PMN                02

PP                  30

PPS                06              02

PR                 30

PRB               04

PSB               15               03

PSC               08               02                01

PSDB             23               04                01

PSOL                               03

PT                34               09                 01

PTB              09               01

PTC              01

PT DO B        01

PV                06               04

Onde estavam os gazeteiros covardes que faltaram em tão importante sessão, pois se não queriam participar quando a discussão é de seu interesse pessoal, participaram quando em quatro anos de mandato?

Estavam ausentes para não manchar o nome? Ou eram contra e não tiveram coragem de brigar contra o corporativismo selvagem da casa do povo?

São 196 deputados que precisam ser cobrados juntos com esses inescrupulosos que votaram a favor deles próprios, que se locupletam diariamente quando estão no exercício de um mandato que não lhes pertence, mas sim ao povo brasileiro, que vive pagando impostos que eles desconhecem, vivem ganhando uma miséria, e bancam esta farra obscena.

Sem contar o custo enorme para mantermos esses cidadãos de segunda classe que beira o inimaginável de mais de cem mil reais ao mês. Um escárnio se pensarmos que eles não nos representam adequadamente, vivem em função de suas vidas e de seus corruptores, seus familiares e amigos financiadores de campanha, para os quais criam leis e benesses sem fim.

Num país civilizado e cujo povo fosse preocupado com seus destinos, há essa hora a frente do Congresso Nacional estaria repleta de populares exigindo ao lado de entidades sérias e ONGs a reversão dessa insanidade criminosa de aumento salarial a tantos pulhas.

Este link tem um abaixo assinado, entre e manifeste já seu descontentamento: http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2010N4596

12 de dezembro de 2010

Homofobia ou ignorância incurável?

De tempos em tempos assistimos incrédulos cenas que nos remetem aos obscuros tempos do nazismo ou até mesmo da inquisição. Estamos vivendo no século XXI e por vezes temos a impressão em São Paulo que ficamos parados no tempo diante de tanta ignorância e desfaçatez de uma minoria que se julga guardiã da moral do mundo.

Em Brasília tempos atrás estudantes ricos, advindos de excelentes bancos escolares, pertencentes a famílias com recursos financeiros acima da média mataram índios ateando fogo as suas vestes.

Em grandes capitais como Belo Horizonte, por exemplo, moradores de ruas são atacados e mortos a pauladas ou incendiados como os índios em Brasília.

Em São Paulo jovens homossexuais são agredidos e assassinados sem motivo, por pura crueldade e intolerância sem que a eles sejam atribuídas quaisquer ações que pudessem ao menos servir de motivo para um advogado defende-los. Ao contrário, são atos covardes, ignóbeis e sem qualquer razão que não seja a agressão pela agressão pura e simples a pessoas em logradouros públicos.

Da mesma foram que em Brasília, as condições destes vermes é a mesma em todos os casos, jovens mimados, sem educação, agressivos, mas com boa formação escolar, família com poder financeiro pertencentes à classe média alta.

A justiça como sempre não pune os agressores doentes e ignorantes deixando a sociedade ainda mais perplexa com os fatos. Basta o primeiro advogado pago com recursos em abundância adentrar a delegacia e o menino já está solto para matar, agredir e infringir normas e leis impunemente.

No ato mais recente um bando de selvagens atacou três rapazes na avenida paulista, ponto de encontro destes agressores e vermes parasitas. Foram presos e encaminhados a cadeia, quando então o juiz diante dos apelos de seus papais e mamães auxiliados por caríssimos advogados soltou a todos indistintamente.

Entretanto, o péssimo juiz não sabia que a cena havia sido gravada por indiscretas câmeras de vídeos de prédios ao lado de onde os fatos ocorreram. As imagens ganharam o mundo e a justiça envergonhada e fraca teve de rever a soltura dos selvagens, reconduzindo-os a prisão.

Tudo neste país depende de investimento em Educação, mas como justificar que estes pequenos seres abjetos que puderam estudar nas melhores escolas, se alimentaram nos melhores lares possam cometer este tipo de barbárie impunemente?

Na verdade além do investimento em Educação, precisamos urgentemente de uma justiça moderna, ágil e capaz de efetivamente punir aqueles que burlem as leis. Não podemos conviver com estes seres peçonhentos no mesmo momento que já temos criminosos demais a solta em nossas ruas nos aterrorizando.

Comente esta noticia

Em todos os sites e na maioria dos blogs existe a possibilidade franqueada para os internautas colocarem suas opiniões de forma democrática sobre o assunto do texto, artigo ou matéria ali publicada.

Essa situação favorece o debate, a troca de opiniões e o enriquecimento daquele determinado assunto ou opinião. Algo que não existia nas revistas ou jornais na versão em papel, pois o leitor somente poderia tentar manifestar sua opinião na edição seguinte que poderia ser semanal, quinzenal e até mensal.

Agora é em tempo real, o artigo acabou de ser publicado e o internauta já pode opinar, criticar, elogiar o texto ou matéria que acabou de ser lançada na página de um site ou blog.

O único problema é que muitos não sabem como fazer essa abordagem com educação, respeito e inteligência para com o autor, para com o site respeitando as demais pessoas que estão manifestando suas opiniões simultaneamente.

É cada vez mais freqüente a falta absoluta de educação da maioria das pessoas que extravasam de forma grosseira suas opiniões descartáveis. Quando o assunto é sobre futebol pior ainda, os trogloditas que fazem parte da torcida organizada da Violência Futebol Clube entra em campo e tenta denegrir o texto, seu autor com palavrões, ofensas de todos os tipos.

Se o mesmo artigo ganha elogios os vândalos acabam ofendendo estes como se estivesse numa arquibancada suja de estádio de várzea na periferia do fim do mundo.

Nos textos políticos durante as eleições acontecia a mesma coisa com os xiitas ignorantes que idolatram sua escolha e imagina que todos que fazem críticas sejam do partido adversário, o que nem sempre é verdadeiro. Criticar o PT não significa ser do PSDB e vice versa.

Fora da política e do futebol a coisa melhora um pouco, mas não é garantia de educação e civilidade, alguns textos polêmicos que versam sobre religião, opção sexual, MST, desmatamento, também são eivados de muito ódio e intolerância à educação e aos bons modos ensinados nos bancos escolares.

Alguns jornalistas que mantém blogs na internet têm reclamado muito da forma como as pessoas usam esta ferramenta chamada “Comentários” em suas páginas na internet. A maioria das pessoas não tem idéia dos palavrões, do racismo e do ódio que é direcionado aos mesmos diariamente.

O problema está na falta absoluta de educação destas pessoas, educá-las é difícil neste momento, é preciso com certeza muito investimento em educação para que a médio prazo possamos ter orgulho de nossa gente.

Claro que eles podem não ser maioria, até porque o acesso a informática ainda não é universal em nosso país, porém fica a preocupação para quando isso ocorrer. O nível está baixo, condizente com o aprendizado no pouco tempo de escola que estas pessoas permanecem em média no Brasil.

Vetar a participação ou mesmo censurá-las quando se excederem é um meio de evitar esses dissabores, porém não resolver, apenas inibe momentaneamente. O Brasil é grande em muitas coisas, inclusive na ausência de uma educação sólida e igual para todos.