26 de agosto de 2012

Saudade do velho amigo João!

"A amizade é sublime:
nela resplandece a força da humanidade."
Franz Feuerbach.

Estava chegando a Bauru no final do ano de 1996, ainda residia em Bariri, há 65 quilômetros de distância, fiquei três anos me deslocando entre as duas cidades até poder comprar um imóvel em Bauru. A cidade de Bauru acabava de ter o resultado das eleições para prefeito definida. A oposição ganhará o pleito daquele ano e a cidade vivia um momento de ebulição política.

Eu aos poucos começava a conhecer a chamada cidade sem limites, seu tamanho não me preocupava nem me assustava, visto que nasci em São Paulo e havia vivido na capital paulista por 38 anos de minha vida. Minha preocupação era me adaptar ao ritmo de vida da cidade, conhecer suas peculiaridades e tudo de bom que pudesse nos oferecer.

Trabalhava numa empresa que ficava fora da área urbana da cidade, aproximadamente quatorze quilômetros distante do centro da cidade. Como a empresa não possuía refeitório, eu e o amigo Amauri, vínhamos até o centro para almoçar em um de seus restaurantes.

Estacionávamos o carro bem no centro da cidade, num estacionamento que fica até hoje no cruzamento das ruas Agenor Meira com Ezequiel Ramos, um lugar que nos possibilitava acesso fácil a várias opções de restaurantes e lanchonetes.

Foi neste ápoca que então conheci o “velho” João Cervantes, que trabalhava neste estacionamento, uma figura simpática, sempre sorridente, que brincava muito conosco, nos provocava às vezes, ria conosco e sempre tinha algo de bom para nos falar naqueles rápidos momentos em que deixávamos o veículo ou quando o retirávamos pra voltar ao trabalho. Esta convivência embora rápida, tornou-se para mim prazerosa pelo contato com aquela pessoa do bem.

Quando ele ficou sabendo que trabalhávamos na Cesp abriu um enorme sorriso e rapidamente nos contou que sua filha trabalhava na mesma empresa. Quem o ouvia falar dela pensava que era uma adolescente, tal o carinho e a intensidade com que falava das filhas, netos e esposa. Fui conhecê-la tempos depois e temos até hoje uma solida amizade entre nossas famílias.

Todos os dias na hora do almoço era o mesmo ritual, ele nos via, dirigia-se até o carro e ao sairmos nos provocava, brincava e às vezes nos contava uma piada. Essa rotina de segunda à sexta acabou fortalecendo uma linda amizade entre eu e o João.

Encontramo-nos várias vezes, fui conhecer sua casa e sua adorável esposa tempos depois e fiquei encantado com sua generosidade, sua simplicidade e a forma bonita como criou suas filhas e tratava a todos ao seu redor.

No ano de 2010, num daqueles enredos que somente Deus pode desvendar um dia aos pobres mortais, num curto espaço de tempo João e sua esposa foram ao encontro do pai celestial. Deixando a todos tristes pela ausência prematura, porém, ficou em meu coração o exemplo de vida, o respeito ao próximo, e o amor incondicional, imutável, indiscutível que João nutria pela “Dona Leonor” e por todos ao seu redor.

Onde quer que esteja, sabemos que está bem, que estão de mãos dadas, provavelmente caminhando e sorrindo para a nova vida. Espero um dia poder reencontra-los.

23 de agosto de 2012

O ensino no país é mais uma vez reprovado!

“Só o erro é que precisa apoio do governo.
A verdade, essa fica de pé por si própria”.
Thomas Jefferson

A divulgação dos índices que tentam mensurar a qualidade da educação feita no Brasil é a mesma dos nossos governantes, ou seja, zero! O IDEB – Índice de Desenvolvimento da Educação Básica criado em 2005 e divulgado a cada dois anos mostram que a educação, bem como nossos governantes foram reprovados. Os números são tão baixos e tão aquém do desejável que somente três Estados conseguiram média superior a 4,0. São eles SP, SC e PR respectivamente. Isso numa escala que varia de 0 a 10.

Chama a atenção que o ensino particular, antes um oásis neste segmento, com melhores escolas, sistemas educacionais e qualidade de ensino e profissionais, vem mostrando uma queda que preocupa e deveria ser motivo de muita reflexão por parte daquele setor.

Neste segmento com melhores salários e condições de ensino, posso crer que a ganância dos seus proprietários possa ser o fator que esteja prejudicando a qualidade do ensino por eles adotados. Recursos podem estar migrando para longe das salas de aulas. Preocupante que o antes melhor ensino do pais, possa estar sendo reprovado em índices qualificativos e tenha diminuição sensível nos seus resultados mesmo tendo um preço elevado para os pais de seus alunos.

Quanto às escolas públicas, elas vêm sendo sucateadas há anos pelos nossos intrépidos e corruptos governantes, não se investe na qualidade das escolas, na transformação do sistema, com ênfase para a qualificação e melhora da remuneração dos profissionais envolvidos. Faz-se premente a realização de um estudo a nível nacional da revisão da grade curricular no ensino médio, um trabalho que deve ser feito por Educadores de todo imenso território nacional. Ocasião em que se pode discutir todo o sistema educacional brasileiro, modernizando-o e o recolocando no patamar merecido e que toda sociedade espera.

A educação em todo país precisa de investimentos maciços e contínuos, além de um planejamento severo para que os recursos sejam efetivamente carreados para atender necessidades regionais de cada Estado. A carência de profissionais, a falta de formação adequada e a necessidade de melhoria das carreiras são os maiores problemas enfrentados pelos gestores para mudar esta triste realidade.

O IDEB pode não ser o maior nem o melhor índice, pode ser questionado ou não, o que não tem discussão é a qualidade que advém do sistema educacional brasileiro há muitos anos. Esta com certeza é indiscutível e beira a reprovação ou júbilo como dizíamos há 40 anos. O Brasil precisaria ter investido “ontem” na educação, pois a seguir desta forma, nossa sociedade não terá futuro como nação. Que profissionais estaremos formando para daqui a vinte anos? Os prejuízos serão incalculáveis e ficará impossível mensurar o quanto o país perderá com esta situação promovida pela ausência de sensibilidade e caráter dos governantes para com a educação de nosso povo.

20 de agosto de 2012

Os nossos recursos continuam sendo mal utilizados!


Assim devemos ser todo dia, mutantes,
porém, leais com o que pensamos e sonhamos;
lembre-se, tudo se desmancha no ar,
menos os pensamentos. Paulo Baleki

O nosso país é o que mais arrecada impostos no planeta sem dar em troca o valor arrecadado em forma de saúde pública, educação de qualidade, segurança pública, habitação e saneamento básico principalmente.

Esta arrecadação tributária exorbitante e desmedida serve para custear programas sociais de eficiência duvidosa, alimentar indústria da corrupção e ser utilizada para custear a divida interna de um governo sem controles.

Esta situação em maior ou menor proporção é extensiva aos governos estaduais e municipais por todo vasto território nacional. Privatizaram setores da economia, desempregaram milhões, porém não conseguem fazer uma reestruturação administrava decente em seus próprios governos.

Com isso torram milhões com um quadro de funcionários imenso, sem que, no entanto façam com que esta multidão preste serviços de qualidade a população. Gastam outros milhões com propaganda do que prometem, do que pensam que vão fazer e até do que nunca fizeram.

O orçamento da União assim como dos Estados e Municípios é discutido à exaustão, mas sempre ao final do ano seguinte, a maioria das verbas a eles destinadas não é gasta com aquilo que se aprovou e deveria contemplar a sociedade.

Obras são prometidas e não raramente não saem dos papéis, sequer são erigidos seus projetos ou seus processos licitatórios. Faltam penitenciárias, hospitais, escolas, casas populares, manutenção e conservação de estradas, ferrovias, construção de novos aeroportos e portos, hidrovias, etc.

Sem contar com a premente e já exaurida necessidade de reformas politicas, tributárias, dos sistemas judiciais, enfim, uma reformulação completa que recoloque o Brasil próximo do terceiro mundo, visto que nos últimos anos de corrupção desenfreada descemos um pouco neste patamar de avaliação de países dentro da conjuntura mundial.

Temos potencial, mas no falta ação, honestidade de propósitos de nossos falidos governantes, que gastam mal, não tem visão de futuro e acabam levando a corrupção para o meio da sociedade, transformando-a em algo “normal” para todos.

No dia 15/08/2012 a presidenta Dilma Rousseff mais uma vez prometeu assim como seus três últimos antecessores (Collor, FHC e Lula) um pacote de obras de infraestrutura nos transportes (Rodovias e Ferrovias).

O pacote de concessão (Privatizar ou terceirizar) para duplicar quase 6.000 quilômetros de rodovias sem ter conseguido cumprir metas bem mais modestas de obras iniciadas há quatro anos em estradas federais concedidas.

O último grande pacote de concessões de rodovias foi licitado em 2007, com contratos assinados em 2008 que previam investimentos de R$ 945 milhões (R$ 1,2 bilhão em valores atualizados) em 270 km de obras de duplicação e construção de estradas.Essas obras deveriam estar concluídas até o início de 2013, mas nenhuma ficará pronta no prazo. Até fevereiro, apenas pouco mais de R$ 100 milhões haviam sido gastos nos projetos.

Impossível acreditar nela e em seu staff do ministério dos transportes. A promessa levada ao ar por todas as formas de mídia existentes, não será cumprida assim como não foram nenhumas das anteriores nos últimos 25 anos no país. Estradas existem apenas em SP, construídas antes do PSDB tomar posse eterna do Estado, onde a maioria está pedagiada (Pedágio - que é a maior obra do PSDB em 17 anos), pois no restante do país, temos arremedos de estradas sem duplicação, sem asfalto e sem segurança alguma para veículos pequenos e caminhões.

Nem o escoamento da safra é feito de forma correta, perdemos milhões com o desperdício de grãos, centenas de acidentes diários com mortes por causa dos milhares de caminhões circulando em nossas estradas precárias.

Safra, aliás, que deveria ser feita através de ferrovias modernas e seguras, visto que nosso país tem imensa plataforma continental assim como a China, Índia, etc. Mas FHC e o seu PSDB preferiu sucatea-las ao invés de implementa-las para maior segurança e eficácia dos nossos deslocamentos internos e de nossas cargas. O PT comodamente deixou tudo como estava.

Uma vergonha nacional que se soma aos aeroportos compatíveis com republiquetas de quinta categoria. Nossos portos então são obsoletos e nos envergonham diariamente. Portanto, esta soma vultosa de recursos prometidos por Dilma Rousseff talvez seja mais um ato de marketing, num ano eleitoral, onde o partido do poder precisa de espaço na mídia para tentar manter seu status quo.

17 de agosto de 2012

O alto custo de uma medalha olímpica!

“O poder da observação cuidadosa é chamado
cinismo por aqueles que não o possuem" G. Shaw




O governo brasileiro divulga que investiu R$ 1,4 bilhão de 2009 a 2012, em modalidades olímpicas. Estes recursos são oriundos do orçamento da União, empresas estatais, lei de incentivo ao esporte, loterias federais, etc.

Ou seja, caso esta afirmação seja verdadeira e toda esta montanha de recursos tenha realmente sido carreada para o esporte olímpico, podemos afirmar que cada uma das 17 medalhas obtidas em Londres custou à bagatela de R$ 82.352.941,18 (Oitenta e dois milhões, trezentos e cinquenta e dois mil, novecentos e quarenta e um reais e dezoito centavos) aos brasileiros que custearam com seus impostos e ações estes investimentos.


Não penso que o nosso país seja obrigado a se transformar numa potencia olímpica, seria muito mais inteligente investirmos na educação maciça onde o esporte poderia estar atrelado em projetos voltados para a disseminação dos esportes de acordo com a aptidão dos alunos.


Seria muito mais coerente que investíssemos nossos recursos em Centros de Excelência do Esporte incluindo diversas modalidades em várias cidades do país. Onde jovens estudantes poderiam praticar natação, vôlei, basquete, judô, atletismo, para crescerem respirando cidadania e saúde.


Um país cuja saúde pública é de terceiro mundo não pode nem deve sonhar em ser potencia olímpica jamais. Gastar bilhões para satisfazer o ego de meia dúzia de dirigentes e dezenas de ufanistas não é digno de uma Nação tão carente como o Brasil.


A Noruega e muitos outros países europeus enviam delegações modestas aos jogos olímpicos. Investem poucos recursos e estão pouco se importando com medalhas de ouro, resultados ou recordes. Na verdade o que mais importa a eles é viver com saúde, educação de qualidade e terem uma geração de jovens saudáveis e preparados para a vida.


Aqui no nosso país, comemoramos medalhas olímpicas ao custo obsceno de bilhões de reais, dinheiro mais do que suficiente para erguer escolas, hospitais e dar saneamento básico e água potável para milhares que ainda não possuí em suas propriedades.


Claro que sempre observando o fato de que não temos certeza se estes recursos ora divulgados foram realmente empregados naquilo que o governo federal afirma ter investido. São tantos desvios, superfaturamentos e corrupção que não dá pra crer sem ver os comprovantes carimbados e auditados.

16 de agosto de 2012

Comportamento da Idade Média no Século XXI

A humanidade não se divide em heróis e tiranos.
As suas paixões, boas e más, foram-lhe
dadas pela sociedade, não pela natureza.
Charles Chaplin

Uma cena no cotidiano da cidade de Jundiaí no Estado de São Paulo, chocou aqueles que a presenciaram ou viram pela TV ou ainda na internet. Uma agressão selvagem, totalmente desnecessária, que coloca o casal de agressores a um idoso muito abaixo de qualquer espécie do reino animal. Em tempo, nenhum animal agiria assim com certeza.


O fato aconteceu dentro do terminal rodoviário da cidade do interior paulista quando uma das filhas do casal de oito anos de idade passa por baixo da catraca, contrariando a lei que permite apenas que crianças com até cinco anos passem gratuitamente naquele local.


O senhor que trabalha no local advertiu os pais, que reagiram de forma violenta, agredindo o funcionário de 70 anos com uma brutalidade desproporcional ao fato gerado por culpa deles próprios. Isso tudo na frente de seus filhos, que não entenderam nada do que acontecia.


O idoso ficou bastante machucado enquanto os covardes fugiam do local. Instantes depois a guarda municipal conseguiu localiza-los e prende-los. Foram então levados a uma delegacia onde foi lavrado Boletim de Ocorrência e os selvagens liberados para responder em liberdade.

Seria oportuno que o conselho tutelar visitasse o casal de agressores, pois não é difícil imaginar como seja a vida destas pobres e inocentes crianças cujo único pecado foi nascer no mesmo teto de seus ignóbeis pais.


Seria importante também que a justiça para variar um pouco acordasse e fizesse com que este ato de agressão contra um homem indefeso de 70 anos não passasse impune. Estes dois cretinos deveriam pagar tendo de trabalhar naquele mesmo local durante 360 dias, para então aprenderem a se relacionar com gente.
Às vezes nem parece que vivemos no século XXI, pois no Brasil tem pessoas que mais parecem agir como se estivessem na Pré-História.


12 de agosto de 2012

Greve escancara a má gestão dos recursos!


Não há silêncio que não termine.
Pablo Neruda

Uma boa parte do contingente de funcionários públicos do governo federal está em greve. Por razões nem sempre iguais, porém convergindo sempre quando a reivindicação é salarial, policiais federais, professores, técnicos alfandegários, enfim, empregados de diversas áreas cruzaram seus braços.

Dilma do PT se iguala e nivela suas ações como gestora de recursos humanos à FHC, que durante seus oito anos de governo tratou os funcionários públicos a pão e água e em bebedouro distante. Durante aquele período a categoria sequer recebeu a correção da inflação pelo período de oito anos.

Podemos questionar os percentuais pedidos em cada categoria, podemos questionar o direito ou não à greve, o momento e a estratégia utilizada pelos seus representantes, mas uma coisa não se pode discutir, os trabalhadores têm de receber seus salários em dia, corrigidos anualmente pelos índices de inflação.

Dinheiro existe e em grande quantidade, pois se a crise europeia, tão utilizada em discursos por Dilma assustasse de verdade nosso país não estava embarcado nos devaneios da realização de Copa do Mundo e Olimpíadas em 2014 e 2016.

Na hora de fazer discursos lá fora de forma ufanista o governo federal cita realizações e a organização destes eventos, quando precisa justificar a má conduta e a sua ausência nas mesas de negociações salariais, diz que o mundo está em crise.

O petismo perdeu a coerência quando assumiu a função de governo, rasgou estatutos, jogou no lixo seu ideário, passando a agir como um relés partido de direita que embevecido pelo poder perde repentinamente a memória e faz tudo que criticava ferozmente antes de ser Poder.

Claro que, muitos podem criticar o funcionalismo público, entretanto, precisam distinguir o joio do trigo, pois quem não trabalha são os funcionários sem concurso e que foram contratados pelos nossos governantes para exercerem funções de assessoria, chefia, enfim, não são os professores, técnicos, policiais, gente que bate ponto, carregando nas costas um patrão que se faz ausente em tempo integral.

Desde o governo Collor a única coisa que deveria ter sido feita para resolver esta questão e que simplesmente nenhum governante (Collor, FHC, Lula e Dilma) quis fazer é uma reestruturação completa do serviço público federal neste país. Uma revolução administrativa que deveria conter o seguinte:

Ø Redimensionamento do quadro de pessoal;
Ø Enxugamento da máquina estatal, com remanejamentos entre órgãos e pessoas se necessário;
Ø Plano de carreira com definições claras de alcance para cada segmento;
Ø Premiar por eficiência, adotando um plano de correção salarial que leve em conta experiência anterior e no cargo ocupado, formação acadêmica, pontualidade, criando pagamento de bônus e mérito por meio de ferramentas de controle e averiguação técnica de produtividade e criatividade.
Ø Adotar correção salarial por índices como FIPE, por exemplo, corrigindo distorções existentes nas categorias de forma separada, tratando os iguais de forma diferente.
Ø Por fim, o governo federal deveria investir em treinamento, qualificação e modernização do seu quadro de funcionários possibilitando a diminuição dos gastos com folha de pagamento.

O que não pode é o país semiparalisado ouvindo Dilma discursar ao vento. Se reclamarmos do PIB baixo a gerentona engrossa a voz para dizer que prefere investir na criança e adolescente. Se funcionários estão em greve ela diz que prefere investir em empregos no setor privado.

Então Dilma, faça ambas as coisas que prega, pois você foi eleita pela maioria para gerenciar tudo, inclusive crises. Faça pelo jovem, invista na busca por emprego com carteira assinada, sem deixar de gerenciar com competência o quadro de funcionários públicos federais.

5 de agosto de 2012

Regulamentações versus Jeitinho brasileiro!


Uma comissão consiste de uma reunião de
pessoas importantes que, sozinhas,
não podem fazer nada, mas que,
juntas, decidem que nada pode ser feito.
Fred Allen

O povo brasileiro embora não admita, acabou se acostumando com o execrável “jeitinho brasileiro” para resolver as coisas que lhe são afetas em seu cotidiano pessoal e profissional. Não existe país no mundo onde leis, decretos, regras e regulamentações sejam tão burladas, combatidas e não cumpridas.

Tanto é verdade que antes das leis, regulamentos ou ordens serem dadas alguém na galera já saí na frente e diz: “Esta coisa (Lei) não vai pegar”. Fica claro a cada dia que muitos querem viver de seu jeito, dentro de sua zona de conforto, sem precisar cumprir regras e determinações oficiais que alterem sua vida.

No momento estamos com alguns exemplos claros desta forma de viver a vida do nosso povo. Em São Paulo uma regulamentação da profissão de Mototaxista e Motoboys sofre uma imensa rejeição por parte dos interessados que protagonizaram um dia de fúria na cidade, parando diversas avenidas em protesto contra a mesma.

O Contram (Conselho Nacional de Trânsito) exigiu em 2010 que para a regulamentação da profissão os envolvidos deveriam realizar um curso de capacitação que deveria entrar em vigor a partir de sábado próximo dia 04/08/12. Ou seja, dois anos após publicar a resolução.

Os sindicalistas representantes das duas categorias alegam que não houve tempo para que os mesmo cumprissem a regulamentação. Estranho, em dois anos apenas 20% da categoria concluiu o curso e agora os demais alegam falta de tempo...

Os caminhoneiros estavam parando as rodovias brasileiras pelo mesmo motivo até ontem. Não querem aceitar uma regulamentação que beneficia a própria categoria. Na verdade neste caso, desconfia-se que os empresários do ramo estejam pro trás da ordem para paralisação.

Mas que categoria é esta que aceita que seus comandados sejam obrigados a parar em nome de uma regra que os beneficiam no cumprimento de suas atividades?

O código florestal brasileiro sofreu do mesmo problema, ninguém se entende, todos os itens têm duas ou três versões diferentes e no fim, tudo cai no esquecimento e a população arca com os prejuízos.

Ninguém quer na verdade regras rígidas, leis firmes, ficam procurando brechas para poder burlar o que é certo. Recorrem, fazem greve, mas na verdade estes mesmos cidadãos jamais participariam de uma greve geral contra a Corrupção no país.

A maioria dos mototaxistas, motoqueiros, motoboys, caminhoneiros e brasileiros em geral são corretos, mas infelizmente, a minoria grita mais alto e acaba levando vantagem sobre um maioria inerte, sonolenta e conformada com o destino de suas vidas e de nosso país.

Quem dera todos eles se unissem em prol do bem comum. De uma sociedade mais justa e correta. Por que não parar o país contra a corrupção? Por que não fazer paralisações na frente do STF para mostrar nossa indignação contra os mensaleiros corruptos?

1 de agosto de 2012

No Brasil legado dos jogos é sinônimo de dividas e mentiras!


“Sejamos razoáveis,
busquemos o impossível”.
Platão, 400 A.C

Em 2002 a cidade do Rio de Janeiro foi escolhida como sede dos jogos Pan Americanos para o ano de 2007 vencendo a cidade de Santo Antônio nos EUA. Na ocasião seus governantes, empresários e lobistas fizeram festas e comemoraram muito a escolha feita pelos integrantes da ODEPA.

Um dos argumentos mais utilizados pelo governo do RJ na ocasião era de que a cidade herdaria um imenso legado com os jogos. Isso não aconteceu, na verdade por incrível que possa parecer, as instalações sequer serão utilizadas para os Jogos Olímpicos na mesma cidade em 2016. O povo? Bem o povo não tem acesso a nada como de praxe.

Após os Jogos, entretanto, algumas instalações foram subutilizadas, o que gerou descontentamento entre atletas e dirigentes. O Velódromo da Barra, por exemplo, ficou mais de um ano sem receber competições oficiais de ciclismo, chegando a ser usado para eventos de outros esportes, como judô e levantamento de peso, e o Parque Aquático Maria Lenk ficou meses fechado.

Os gastos com a preparação e construção das praças desportivas foram muito acima do orçamento inicial, o governo federal teve que dar aporte de milhões para que os jogos pudessem ser realizados. Suspeitas de superfaturamento eram evidentes até para uma criança na Etiópia.

Entretanto, nenhuma fiscalização ou investigação mais rigorosa foi realizada e levada a cabo pelo MP ou pelo Congresso Nacional. Dúvidas ficaram no ar sobre forma de licitações e procedimento utilizados pelos organizadores. Os gastos estimados giram em torno de R$ 6 bilhões de reais.

Mesmo assim, os mesmos “Organizadores” partiram para um sonho ainda maior, com gastos ainda maiores na organização da Olimpiada RJ/2016. Sendo que entre um e outro haverá ainda a Copa do Mundo de Futebol com uma das sedes sendo justamente na cidade do Rio de Janeiro.

A cidade parece um imenso canteiro de obras, claro que, aquelas realizadas com preço a peso de ouro para o Pan/2007, foram esquecidas, agora é tudo novo, alguns canalhas dizem que a culpa é do COI, cujas exigências são muito rigorosas e acima das da ODEPA.

Mentira – O presidente do Cômite Olímpico Brasileiro é Carlos Nuzman que também era em 2007membro do mesmo COI. Será que o Senhor Nuzman não sabia das tais exigências na hora de fazer o PAN/2007?

A perspectiva é de que passemos vergonha antes e durante as realizações da Copa do Mundo/14 e Olimpíadas no RJ/16, para depois passarmos muita raiva quando as faturas das duas aventuras começarem a ser cobradas da sociedade.

O rombo na nossa economia talvez seja o maior legado que Eduardo Paes (Prefeito do RJ), Sérgio Cabral (Governador do RJ), Carlos Nuzman (Presidente do COB) e Dilma Rousseff deixem para o povo carioca e braileiro pagarem.