29 de janeiro de 2014

Pior e mais mal explicada transação de um jogador!

O erro acontece de vários modos,
enquanto ser correto é possível
apenas de um modo. Aristóteles


Os espanhóis conheceram através da compra do jogador Neymar pelo Barcelona da Catalunha a faceta mais cruel de negociar com alguns brasileiros. Uma transação de venda de jogador de futebol normalmente envolve dois clubes, sendo um comprador e o outro vendedor, além dos representantes do jogador e dos advogados de ambos os times de futebol.

No caso do jogador Neymar, o pai do jogador, é também seu empresário, administrador de sua carreira e de empresa que cuida do dinheiro do jovem rico. Nada errado até então neste processo. O time do Santos renovou o contrato do jogador até Junho/2014, seis meses antes o jogador poderia assinar com qualquer outro clube e ir embora de graça conforme as regras da FIFA.

Porém, antes deste prazo se esgotar o jogador foi vendido ao Barcelona pela soma então divulgada de 57 milhões de euros. Acontece que o clube praiano ficou com apenas 17 milhões de euros cabendo outros 40 milhões de euros ao jogador. Nada estaria estranho se o atleta e seu pai não tivessem embolsado esta quantia obscena muito tempo antes da venda do jogador. Diz o artigo 18.3 do regulamento de transferências da FIFA: 
http://www.fifa.com/mm/document/affederation/administration/01/95/83/85/regulationsstatusandtransfer_e.pdf
O texto diz o seguinte: “Um clube que pretende firmar um contrato comum profissional deve informar o clube atual do atleta por escrito antes de começar qualquer negociação com ele (atleta). Um profissional só está livre para acertar um contrato com outro clube se o contrato dele em vigor estiver se encerrando ou se encerrará nos próximos seis meses”.

Sendo assim, o negócio entre Barcelona e o pai do jogador é estranho e parece prejudicar os cofres do time santista, desde que este não tivesse conhecimento prévio de que receberia a menor parte no bolo. Caso tenha sido enganado, o Santos poderá acionar a FIFA contra o clube catalão e exigir seus direitos.

Na Espanha, o presidente do clube catalão pediu demissão, algo estranho, pois não quis enfrentar a imprensa e a possível investigação oficial sobre os detalhes da negociação com Neymar. Aqui no Brasil várias perguntas ficam no ar para o torcedor do Santos, para o cidadão que não torce por futebol, mas recolhe imposto de renda em seu aviso de pagamento mensalmente:
1. O pai do jogador recolheu todos os impostos referentes à soma milionária que recebeu do Barcelona?
2. O Santos sabia ou não da negociação entre o pai de Neymar e o Barcelona?
3. Que Investidor ou Grupo de Investimento é louco para ser parceiro do Santos em futuras transações com outros jogadores sabendo que o clube pode deixar o negócio nas mãos de terceiros?
4. Será que no Brasil ninguém ou nenhuma autoridade teve interesse em investigar o fluxo de milhões de euros que deveria ter entrado no país?
5. Na negociação com o Barcelona Neymar Silva, pai do jogador diz que R$ 8,8 milhões de reais seriam destinados a Fundação Neymar Jr para atender projetos sociais. Alguém poderia provar isso? Que projetos?
6. O Santos com toda sua história permitiu que o pai de Neymar recebesse milhões para supostamente indicar futuramente atletas revelados no Santos para o mesmo Barcelona? O Conselho de Administração do clube compactua com isso?

São varias perguntas e outras tantas que com certeza vão cair no esquecimento dos torcedores, da receita federal, dos investidores no futebol, enfim de todos. No Brasil é assim mesmo, todos querem levar vantagem, se aproveitar das facilidades e ganhar dinheiro custe o que custar. Danem-se as leis, dane-se a ética, dane-se tudo.

Analfabetismo joga o Brasil para debaixo do tapete!

Seria uma atitude muito ingênua esperar que as classes dominantes
desenvolvessem uma forma de educação que permitisse aos 
menos favorecidos perceberem as injustiças sociais de forma critica.
Paulo Freire

Segundo levantamento realizado pela UNESCO entre 2005 – 2011 no seu Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos o Brasil tem 13,9 milhões de analfabetos adultos. Número que é maior que a população da cidade de São Paulo e do que todo o Estado do Rio Grande do Sul. Isso deixa o “país do futuro”, slogan tão utilizado por nossa sociedade ou o chamado “Brasil de todos”, slogan do partido que diz que nos governa em 8º lugar entre os países com mais analfabetos no mundo. 

Esses dados da UNESCO não contemplam os analfabetos funcionais que segundo o Instituto Paulo Montenegro e Ação Educativa em 2011 era de 27% no Brasil. Lembrando que Analfabeto funcional é a denominação dada à pessoa que mesmo capacitada a decodificar minimamente as letras, geralmente frases, sentenças, textos curtos e números, não desenvolve habilidade de interpretação de textos e de fazer operações matemáticas. 

Também é definido como analfabeto funcional o indivíduo maior de quinze anos possuidor de escolaridade inferior a quatro anos letivos, embora essa definição não seja muito precisa, já que existem analfabetos funcionais detentores de nível superior de escolaridade.

Em resumo nosso sistema educacional é dos tempos da Idade da Pedra, nossa Educação não recebe investimentos condizentes com aqueles gastos em publicidade, desperdícios, obras inacabadas, corrupção e fica no fim da linha possibilitando que o país seja uma vergonha quando submetido a qualquer análise de índices educacionais.

Com isso, a tendência é de termos um acréscimo constante de analfabetos no país, visto que os chamados analfabetos funcionais representam hoje cerca de 8% (Oito por cento) dos alunos que tem ensino médio completo no país segundo o último relatório do INAF - Indicador de Alfabetismo Funcional.

Este cenário vem de longe, os governos passados também nada fizeram de significativo para alterá-lo durante suas péssimas gestões. O governo atual começou seu governo e mantém até hoje, passados doze anos o foco no combate a miséria, entretanto não existe para o ser humano nada pior do que a fome do saber. Bolsa Família pode alimentar o estomago, mas a ausência do saber, da informação e da cultura destrói um povo.

Temos a carga tributária mais elevada do planeta, temos recursos sobrando para se dar ao luxo de gastá-lo no Haiti numa missão militar desnecessária. Emprestamos dinheiro a Cuba para construção de portos, doamos dinheiro à Bolívia, Angola e até gastamos recursos do povo no Oriente Médio quando doamos dinheiro da nossa Saúde Pública para a construção de Posto Médico (U$ 10 milhões) na Palestina recentemente. Nada justifica não termos educação de qualidade, escolas modelos, professores bem remunerados e treinados para reverter este quando vergonhoso.

O governo do PT é odiado por muitos, embora seus antecessores nada tenham feito de diferente quando foram poder, os militantes e os governistas sabem que o discurso antes da posse de Lula era de que com o partido deles no poder tudo seria diferente, e não foi nem nunca será, hoje sabemos disso.

Ter milhões de analfabetos envergonha a sociedade que é honesta, trabalha e paga impostos no Brasil, mas infelizmente ajuda aos partidos na hora das eleições. Seus votos estão garantidos nas mãos de pessoas que não tem acesso a educação nem informação alguma sobre os partidos e candidatos.

26 de janeiro de 2014

SP 460

São Paulo é a mais doce cidade. Porque eu e outros adotados, nós
vemos beleza é na oportunidade. E a oportunidade de trabalhar e
de se afirmar é como um mágico pincel que tudo embeleza. 
Tom Zé

Neste vinte de janeiro de 2014 a mais brasileira de todas as cidades acordou comemorando 460 anos de vida. Pujante, polo de desenvolvimento humano, problemática, doce e ácida ao mesmo tempo. Tem todas as cores em sua estrutura de concreto que busca ao céu rasgando sua identidade em torno de sua característica maior de receber a todos indistintamente.

Resistiu a tudo e a todos, passa por cima até de seus péssimos administradores, fingindo que eles não têm importância alguma para sua sobrevivência e futuro. Seu presente, não espelha o passado, pois tem por hábito olhar para o futuro sempre.

Sua gente fala vários idiomas e até dialetos na periferia maior que a maioria das demais cidades do Brasil. Tem mais ricos que todos os demais Estados juntos, mas é seleta tanto quanto é amável com todos seus novos filhos.

Uma cidade moderna a seu jeito, convivendo com a pressa que se transformou em sua marca indelével. Contêm na sua modernidade tantos atrasos e problemas do século passado que muitas vezes pensamos não ser a responsável pelo crescimento que alavanca o país.

Nasci numa casa na extremidade da zona norte, cresci nas ruas da zona sul e sempre que volto a minha origem me perco na grandeza desta cidade sem fim, que cresce tanto que acaba engolindo suas fronteiras.

São Paulo como já disse Caetano é o mundo todo, frase feliz e muito correta, temos coreanos, nordestinos, nortistas, italianos, espanhóis, sulistas, americanos, japoneses, portugueses que são antes de tudo e de qualquer coisa PAULISTANOS natos.

São Paulo tem a maior colônia japonesa fora do Japão e assim com vários povos. Tem a melhor pizza do mundo fora da Itália, sua gastronomia é rica, pura, verdadeira e internacionalmente reconhecida como uma das melhores do mundo.

É uma cidade cara, tem opções e tudo que um morador precisa e que cabe em seu bolso. Teatro, cinemas, praças, show de graça, futebol e muita diversão a toda hora. São Paulo não para, não pode parar, quase nunca parou.

Parabéns São Paulo, minha cidade natal, terra de tanta gente estranhamente feliz, de estrangeiros paulistanos e de famosos desconhecidos.

24 de janeiro de 2014

Doando recursos da saúde sem nosso consentimento!

“Se governar fosse fácil, não seriam
necessários espíritos iluminados”
Bertold Brecht.

Qual a razão para o Brasil não ter saúde de qualidade para o conjunto da nossa população? Vontade política? Normalmente os governantes alegam que não há recursos suficientes para tal tarefa. Na gestão FHC chegaram a criar a CPMF imposto que era para ser direcionado apenas para a Saúde. Nunca foi e acabou sendo extinto justamente por este motivo.

O PT assumiu o governo federal em Janeiro/2003 com Lula que saiu e conseguiu eleger sua sucessora Dilma Rousseff que está no poder desde 2010. Neste período a saúde publica piorou muito no país. Faltam Hospitais, Pronto Socorros, equipamentos na maioria dos hospitais, faltam leitos comuns e de UTI, falta medicamentos e até médicos.

O governo petista tem a sua disposição recursos em demasia, apenas no que tange a arrecadação de impostos inundam os cofres do governo quase R$ 2 trilhões por ano. Sem contar as verbas específicas da área da saúde previstas em orçamento.

No entanto a cada dia que passa mais difícil fica para qualquer brasileiro ser atendido com dignidade dentro de um padrão “FIFA” de qualidade e decência. São pessoas morrendo nas filas, gente aguardando a realização de exames agendados para mais de dois anos da data da marcação, são pacientes morrendo por falta de leitos e de medicamentos diariamente.

A Presidente não demonstra quaisquer preocupações com esta calamidade pública na área da saúde, limitando-se a criar um Projeto chamado “Mais médicos”. Quando todos sabem que precisamos de mais tudo antes de termos mais médicos.

O ministro da Saúde está mais preocupado com sua candidatura ao governo do Estado de SP do que com pacientes moribundos que insistem em morrer nas filas do SUS. Esta é a lógica dos políticos, primeiro eles, depois suas famílias, em seguida suas eleições e reeleições, depois os amigos, correligionários e financiadores de campanha, se der, muito depois vem o povo e suas agruras.

Pois este governo petista acaba de inaugurar na cidade de Dura, no sul da Cisjordânia na Palestina um Centro Médico construído com recursos doados pelo nosso governo federal. Foram doados U$ 10 milhões, sendo que U$ 4 milhões eram recursos próprios do Ministério da Saúde.

Não tenho nada contra o governo da Palestina, nem da Bolívia, muito menos dos países mais necessitados da face da terra, mas pergunto:
_ Nosso país está com dinheiro sobrando?
_Nossa saúde pública é modelo de gestão e atendimento de qualidade?
_Por último, estes recursos não poderiam ser utilizados no Norte e Nordeste do país?

As respostas são conhecidas por todos que acompanham a trajetória deste governo inerte, incapaz, omisso e que sabe apenas cobrar impostos dos assalariados e aposentados indistintamente. O Ministro Padilha disse na entrevista concedida na inauguração que estava emocionado na ocasião da inauguração do centro médico com nosso dinheiro.

Saiba senhor Padilha, que nós brasileiros não estamos emocionados, mas sim, enojados em ver sua desfaçatez, ao se aproveitar de recursos que poderiam estar sendo usados em solo brasileiros para amenizar o sofrimento de milhares de brasileiros. Nós senhor Padilha não o autorizamos em momento algum nem a Dona Dilma a emprestar, doar ou gastar nababescamente nossos parcos recursos em terras distantes.

Que a voz das urnas saiba definitivamente punir a sua ação e da sua chefa Dilma Viajandão da Silva em outubro de 2014, tanto em SP como no restante do país.

21 de janeiro de 2014

Nem roubando, nem superfaturando fizeram as obras para a Copa

O erro acontece de vários modos, enquanto
ser correto é possível apenas de um modo.
Aristóteles



O governo federal e os estaduais onde existem sedes para a Copa do Mundo no Brasil tiveram sete longos anos para planejar, orçar e realizar obras dos Estádios, entornos, infraestrutura viária, aeroportuária, investimento em qualificação de pessoal, redes de comunicação, enfim, tudo que é necessário para que o país possa organizar um evento dessa magnitude.

Entretanto, a cinco meses da abertura da Copa, 50% dos estádios não foram entregues à FIFA. Nenhuma ou praticamente nenhuma obra de mobilidade urbana foi entregue e as ampliações e reformas dos aeroportos serão entregues depois da Copa e até da Olimpíada RJ/2016.

Sete anos não foi tempo suficiente para a burocracia estatal conseguir fazer a única coisa que poderia justificar os gastos nababescos com a realização e uma Copa no país – Obras de infraestrutura. Mas contrariando o jargão popular de que “Vão roubar muito com o superfaturamento das obras” os governantes não conseguem mesmo fazer nada que possa ser útil para o povo brasileiro.

Nem roubando, nem rezando, nem ferrando eles fazem algo que possa ser bom para a nossa sociedade. São publicanos autênticos, cobradores de impostos e nada mais.

A nossa rede hoteleira insuficiente e de baixa qualidade já se arvora em poder cobrar 1.000% a mais nas estadias para o evento, entretanto, seus empresários não construíram e nem vão dotar o sistema de leitos suficientes para a Copa nem para a Olimpíada no Rio de Janeiro pode exemplo.

Nossos aeroportos vão continuar com puxadinhos bizarros que lembram muito a cara de nossos governantes, são mal feitos, mal acabados e não servem para nada. Dos portos nem vou perder tempo, pois são tão ultrapassados que nem daria para discorrer.

Depois da Copa do Mundo teremos mais dois anos até o início da Olimpíada RJ/2016, aquela que terá provas náuticas numa lagoa poluída e sem condições mínimas para abrigar navegação e provas de quaisquer modalidades, exceto pesca de dejetos e contaminação olímpica.

Dar ao Brasil, ou melhor, ao governo brasileiro a oportunidade de realizar eventos desta magnitude é uma insensatez completa, depois não adianta a FIFA mandar dirigentes ensebados ficarem reclamando dos atrasos. Sabiam disso e não evitaram, talvez porque foram devidamente compensados.

Nosso povo não tem culpa, exceto por depositar votos nas urnas para esta escória mal ajambrada que nos faz passar vergonha olímpica no exterior. Só faltou brigarem pela realização dos jogos de inverno... A partir de 2017 voltaremos a ouvir falar da Copa do Mundo/14 e Jogos Olímpicos RJ/16, não da organização, mas sim das imensas dividas que vão assombrar a nossa economia.

17 de janeiro de 2014

Circulo pernicioso

“O afã da riqueza obscurece
a noção do justo e do injusto"
Antífanes

No país existem alguns círculos viciosos que são perniciosos, pois não permitem que algumas mazelas sejam excluídas da vida do cidadão brasileiro. Praticamente todos habitam o cerne do governo brasileiro, que são responsáveis por eles existirem e bloquearem as soluções para seus respectivos problemas.

Sempre que ocorre um crime hediondo com participação direta de menores de 18 anos volta à discussão a questão da redução da maioridade ou não no país. E sempre que esta questão é discutida, muitos são contra acreditando que o investimento em Educação pudesse resolver o problema. Outros ainda dizem que nossas penitenciárias são universidades do crime.

Ambos têm razão nessas afirmações, mas até quando teremos de aturar menores criminosos matando impunemente sabendo por antemão que nada vai lhes acontecer? Nos últimos 50 anos quando foi que tivemos algum investimento sério em Educação no país? Alguém acredita que algum governante brasileiro vai investir na reforma, privatização ou modernização do nosso sistema penitenciário nos próximos 30 anos?

Ambas as respostas são NÃO, NÃO E NÃO. Afinal de contas os menores não estão matando os familiares dos políticos e governantes. E as penitenciárias não dão votos a eles. Sendo assim, algo precisa ser feito em relação às três coisas, a saber: 1. Investir maciçamente em Educação de qualidade; 2. Reformar por completo o sistema penitenciário e 3. Discutir a reforma do nosso sistema judiciário.

Outro exemplo é a questão das Reformas Fiscal e Tributária e da Reforma Política que estão sendo faladas em verso e prosa desde os tempos do império e nunca saem das conversas. Pois sempre que alguém quer discutir a Reforma Fiscal e Tributária, lembram os partidos da base governista que não se pode fazer uma reforma destas que teria de conter reduções de impostos, eliminação de taxas e tributos ultrapassados e modernizar o sistema de arrecadação tributária do Brasil. Logo, preferem deixar tudo como está.

A Reforma Política não será feita pelo Poder Executivo nem pelo Legislativo visto que, ela traria ganhos para a sociedade, mas itens valiosos de arrecadação de receitas e doações às campanhas políticas seria fruto de discussão pela sociedade, eles não querem alterar o que lhe dá confortavelmente altas receitas e votos.

Forma-se então mais um circulo vicioso que tende a nunca ser rompido, uma vez que a reforma não parte da sociedade civil e sim dos políticos que formam uma casta hedionda, corrupta e manipuladora dos destinos do povo brasileiro.

15 de janeiro de 2014

Leis que podem e devem ser usadas pelo cidadão!

Devemos promover a coragem onde há medo,
promover o acordo onde existe conflito,
e inspirar esperança onde há desespero.
Nelson Mandela

O Brasil reconhecidamente é um país com excesso de leis, muitas inócuas, outras aprovadas pelo legislativo e que por serem omissas ou não darem sequencia com a devida fiscalização do Executivo acabam caindo em desuso.

Entretanto existem muitas leis que são úteis e deveriam ser utilizadas pelo cidadão comum na busca por cidadania, direitos constitucionais e ajudar até a fiscalizar o Poder Executivo nas suas três esferas de poder. Vou tentar listar algumas que julgo importantes e que na minha visão poderiam ser muito uteis aos cidadãos que dela fizerem uso adequado:

Ø Antes de listar as leis, creio seja de fundamental importância que qualquer cidadão brasileiro conheça o que rege a Constituição Brasileira, nossa carta magna, que nos guia e nos mostra nossos deveres e direitos sagrados. 
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Ø Lei 12527/11 – Lei do Acesso à Informação > Um avanço no que se refere ao direito de acesso às informações produzidas pelos órgãos e agentes públicos no país. Qualquer cidadão comum tem assegurado o direito à informação.
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm
Ø Lei Complementar 131/2009 - Para os brasileiros que vivem em cidades com menos de dez mil habitantes onde a Prefeitura não é obrigada a publicar os dados da administração na internet, esta Lei trata da disponibilização de informações pormenorizadas sobre a execução do orçamento do município.
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp131.htm
Ø Lei Complementar 101/2000 - Lei da Responsabilidade Fiscal e uma espécie de código de conduta para os administradores públicos de todo país. Aplicada igualmente aos três níveis de governo que compõe a Federação, aplica-se também a administração descentralizada, como autarquias, fundações e fundos. 
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp101.htm
Ø Lei 10.028/2000 – Lei de Crimes Fiscais – Esta lei prevê as sansões pessoais aos governantes, que poderão ser responsabilizados pessoalmente e punidos com perda de cargos, proibição de exercer empregos públicos e pagamento de multas e até prisão. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l10028.htm

Ø Portal da Transparência – O governo federal oferece aos cidadãos um portal na internet que possibilita o acompanhamento da execução financeira dos seus programas e ações. Como Merenda, Saúde, Educação, Assistência Social, Bolsa-Família e Direitos Humanos. www.portaldatransparência.gov.br  

Ø Lei 8.666/93 – Lei das Licitações – Lei importante que estabelece todos as normas que devem ser seguidas pelo gestor público na hora das compras e contratações de serviços públicos. www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8666cons.htm  

Ø Órgãos fiscalizadores: CGU – Controladoria dos Gastos da União: www.cgu.gov.br A Controladoria-Geral da União (CGU) é o órgão do Governo Federal responsável por assistir direta e imediatamente ao Presidente da República quanto aos assuntos que, no âmbito do Poder Executivo, sejam relativos à defesa do patrimônio público e ao incremento da transparência da gestão, por meio das atividades de controle interno, auditoria pública, correição, prevenção e combate à corrupção e ouvidoria.
Ø TCU - Tribunal de Contas da União:
http://portal2.tcu.gov.br/TCU Julga a boa e regular aplicação dos recursos públicos federais e auxilia o Congresso Nacional no controle externo das administração federal.
Ø MPE e MPF – Ministério Público Estadual e da União – Seus Promotores de Justiça devem defender os interesses da sociedade. Portanto recebem, investigam as denúncias de desvios de erário, bem como denunciam os envolvidos à Justiça para julgamento e punição. Qualquer cidadão pode fazer sua denúncia, de preferência se identificando ou mesmo que não queira se identificar, pedindo sigilo quanto à divulgação de sua identificação.

Ø Lei 9.840/1999 – Lei do Combate à corrupção eleitoral – Esta lei é a maior arma dos eleitores contra a compra de votos e a corrupção eleitoral. 
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9840.htm

Ø Disque Denúncia Eleitoral – Visa punir os candidatos que descumprirem a legislação eleitoral, tentando comprar votos, fazendo publicidade irregular ou cometendo outros atos ilícitos. O Disque Denúncia Eleitoral funciona em todo o Brasil. As denúncias podem ser feitas pelos números 4003-0278 (em capitais e regiões metropolitanas) e 0800-881-0278 (demais localidades).

Podemos acrescentar ainda os Estatutos do Consumidor, do Idoso e da Criança e do Adolescente, entre outros como ferramentas democráticas importantes para a sociedade brasileira. Por fim, para não me estender muito repasso os dez mandamentos do cidadão consciente extraídos do livro da Batra – Bauru Transparente www.batra.org.br “Cidadania Consciente num regime democrático”.

10 MANDAMENTOS DO CIDADÃO CONSCIENTE:

1. Não deixe de votar, valorize seu voto; . Não vote contrariando a sua opinião, o seu voto é secreto;
2. Não vote contrariando sua opinião, seu voto é secreto

3. Não vote em candidato “Ficha Suja”;

4. Não venda seu voto por favores, garanta liberdade de escolha;

5. Não troque seu voto, seu voto é livre e soberano;

6. Não vote sem conhecer a capacidade e o programa do candidato;

7. Não vote sem conhecer a competência e o passado do candidato;

8. Não vote sem conhecer o caráter do candidato, seu voto merece respeito;

9. Não deixe nenhuma pesquisa mudar seu voto, use de sua firmeza;

10. Não vote para contentar parentes ou amigos, escolha o melhor candidato.
Lembre-se sempre da máxima: MUNICÍPIO LIMPO – PAÍS LIMPO, pois este é o único caminho para um Brasil melhor, mais ético, mais decente e transparente nas ações do poder público fiscalizadas por todos nós, brasileiros honestos e do bem.

13 de janeiro de 2014

Péssimo mau gosto!

Caro Cardeal arcebispo,

Vossa Eminência disse em vosso Twitter que o especial de Natal do Porta dos Fundos era de "péssimo mau gosto". Poderia dizer que V. Emmo. cometeu um pleonasmo, pois na palavra "péssimo" já está incluída a palavra "mau", mas vou supor que V. Emmo. tenha "redundado" propositalmente, para fins estilísticos. Entristece-me, pois gostaria que o nosso especial de Natal tivesse agradado a todos (embora o homenageado em questão não tenha agradado).

O que me consola é que não somos os primeiros a termos o gosto julgado mau ou péssimo ou ambos pela vossa Igreja. Na realidade, arrisco-me a dizer que estamos em boa (e vasta) companhia. Entre os numerosos condenados, está um astrônomo de nome tão redundante quanto a vossa expressão.

Como V. Emmo. deve saber, não foi à teoria heliocêntrica que causou a condenação de Galileu Galilei. Copérnico já havia dito que a Terra girava em torno do Sol e a Igreja não se importou. O que provocou a ira papal foi o humor.

Para defender o heliocentrismo, Galileu criou um diálogo fictício entre um personagem sábio, Salviati, e um personagem imbecil, Simplício. O sábio acreditava que a Terra girava ao redor do Sol e o imbecil achava o contrário. O livro foi um sucesso retumbante. E a Igreja vestiu a carapuça do imbecil. Galileu foi obrigado a negar tudo o que havia dito para escapar da fogueira. Negou e ainda assim foi condenado à prisão perpétua.

Giordano Bruno, contemporâneo de Galileu, acreditava que o universo era infinito. Negou-se a se negar. Foi queimado vivo. Somente em 1983, quase quatro séculos depois, o Vaticano absolveu Galileu, provando ter um sistema judiciário ainda mais lento que o brasileiro. Apesar da retratação tardia, o gosto episcopal continua controverso.

Acho um péssimo mau gosto, por exemplo, V. Emmo. ser contrária ao sacerdócio de mulheres, ao uso de métodos contraceptivos, ao aborto de fetos anencéfalos, ao aborto em casos de estupro, ao amor entre pessoas do mesmo sexo, à eutanásia e às pesquisas com célula-tronco.

Contudo, confesso que, apesar de nossas divergências, não pude deixar de ficar feliz em saber que o Porta dos Fundos está sendo assistido na arquidiocese. Peço que V. Emmo, futuramente, não pule aqueles anúncios que antecedem o vídeo, para que nós ganhemos um cascalhinho. Obrigado pela atenção e, como diria Jesus, desculpe qualquer coisa.

Gregório Duvivier é ator, escritor e também é um dos criadores do portal de humor Porta dos Fundos. Texto publicado na Ilustrada da Folha de SP em 13/01/14.

11 de janeiro de 2014

Consumidor sendo enganado e roubado!

Seria uma atitude muito ingênua esperar
que as classes dominantes desenvolvessem
uma forma de educação que permitisse aos
menos favorecidos perceberem as injustiças
sociais de forma critica. Paulo Freire

Ao entrar no supermercado o consumidor se depara com preços altos em geral. Entretanto, não bastasse lidar com os efeitos da inflação e do descaso das autoridades para com este fator, ele ainda enfrenta algumas armadilhas promovidas pelas empresas que abastecessem os mercados do país inteiro.

Elas geralmente estão ligadas ao peso dos produtos revendidos livremente nas gondolas dos supermercados. Um produto desaparece por alguns dias e como num passe de mágica reaparece com nova embalagem e preço maior - peso menor. São tão espertos que muitas vezes a grande maioria passa batida e não percebe o golpe que lesa nossos bolsos enquanto enche de alegria os empresários brasileiros.

Ao entrar na área de especiarias e temperos percebemos um vilão disfarçado entre os muitos produtos vendidos naquela área. Trata-se do Orégano, tempero muito apreciado pelos consumidores. Seu preço nem chama a atenção, algo em torno de R$ 1,99 a R$ 2,10 aproximadamente, mas o que passa despercebido é o peso da embalagem de 3 a 10 gramas. Se multiplicarmos este preço de três gramas por um quilo chegaremos ao valor de R$ 663,33 (Seiscentos e trinta e três reais e trinta e três centavos). Está na cara que a indústria se utiliza deste procedimento para iludir o consumidor e lucrar cada vez mais.

No Brasil não adianta Código do Consumidor, leis, Constituição Federal, nada freia o impulso da ganância dos nossos empresários e da omissão governamental para com as coisas que dizem respeito à sociedade civil. A tinta utilizada para impressora deve ter ouro ou diamantes em forma liquida dentro de sua composição. Pois pode custar até R$ 13.636,00 (Treze mil, seiscentos e trinta e seis reais) o litro. A Lexmark vende cartuchos para a linha X, n.º 26, com 5,5 ml de tinta colorida, por aproximadamente R$ 75,00. Logo, um litro do produto custa exatamente R$ 13.636,00.

Uma impressora custa razoavelmente pouco se compararmos com o preço de seus cartuchos preto e colorido. Existem modelos no mercado que custam entre R$ 180,00 e 300,00, sendo que na segunda troca de cartuchos o consumidor gastou mais do que o preço inicial do equipamento. Ao compararmos com outros produtos percebemos que o valor do litro da tinta da impressora custa o equivalente a:

è 300 gramas de Ouro;
è 03 Televisores de Plasma de 42’;
è 01 Uno Mille ano 2003;
è 45 Impressoras que utilizam o mesmo cartucho;
è 04 Notebooks;
è 08 PC’s Intel com 256 MB.

Assim como o orégano, a tinta para impressora outros produtos praticam a mesma técnica e subtraem milhões dos bolsos dos consumidores. Não é a toa que o Brasil é tão “amado” e disputado pelas grandes corporações mundiais. Aqui é o paraíso para aplicar todos os golpes possíveis que existam nos mercados consumidores.

Sem contar que além dos preços praticados pelas indústrias ainda temos um fator adicional, que é a perversa e ignóbil carga tributária praticada no país. Onde um produto sempre carrega consigo algo em torno de 20% a 60% do seu custo final em impostos para um governo omisso que não fiscaliza, não investiga, não faz nada nem pelo consumidor nem por ninguém.



9 de janeiro de 2014

Saúde pública de qualidade para quase todos os brasileiros!

A tortura de uma consciência
culpada é o inferno do ser vivo.
John Calvin
Ao contrário do que pensamos existe no Brasil saúde de qualidade, com bons médicos em grande quantidade, onde não há necessidade alguma da implantação do Programa Mais Médicos. Esse verdadeiro oásis existe para os Políticos do Congresso Nacional e do Poder Executivo, faltando apenas eles estenderem a mesma utilização para o povo brasileiro que morre nas filas do SUS.

Os nossos parlamentares e políticos do Poder Executivo usam hospitais da rede privada com nosso dinheiro, justamente nós que não temos saúde de qualidade apesar de pagarmos imposto de renda de primeiro mundo.

Até o moderno e inacessível (Para o povão) Hospital Sírio Libanês em SP está na lista dos hospitais utilizados em larga escala pelos nossos parlamentares doentes. Sem contar que além dos membros ativos do Congresso Nacional, também utilizam do sistema seus beneficiários diretos e indiretos.

Foram feitos convênios com Hospitais de ponta como Sírio Libanês, Albert Einstein e Incor, com um gasto em sete meses no ano de 2013 de aproximadamente R$ 78 milhões de reais. Uma farra de consultas, exames, check-ups e cirurgias com o nosso dinheiro.

Percebe-se que recursos não são problemas para a saúde deles, esta casta de endinheirados, que recebem verdadeiras fortunas, não trabalham praticamente o ano inteiro, recebem verbas nababescas e ainda conseguem plano VIP em Hospitais que são referência na medicina tupiniquim. Algo inimaginável para 99% dos trabalhadores brasileiros.

No Poder Executivo, Presidente, ministros e até ex-presidentes tem acesso garantido ao mesmo sistema dos congressistas. Talvez seja este um dos motivos que façam com que independentemente do presidente e do partido eleito à saúde pública nunca seja garantida ao povo brasileiro, afinal de contas, a deles é de primeiro mundo.

Sarney, Collor, FHC, Lula e Dilma são atendidos no Hospital Sírio Libanês, enquanto a sociedade brasileira sofre nas mãos de empresas inescrupulosas de planos de saúde a preço de ouro, e o povão fica sem saída nas filas do SUS. Se eles tivessem que utilizar de plano de saúde ou do SUS, talvez a sistemática fosse diferente e tivéssemos saúde de qualidade para todos sem exceção.

Uma lei popular deveria ser entabulada pelas organizações da sociedade civil e entidades de classe para obrigar a todos os políticos, seus dependentes e beneficiários e os membros do poder público (inclusive presidentes e ex-presidentes) a utilizar o sistema único de saúde. Quem sabe eles se uniriam ao povo para atender ao clamor por saúde de qualidade e digna para a sociedade do nosso pais.

8 de janeiro de 2014

Jovem antenado, conectado e pichador inútil!

A vaidade é o caminho mais curto
para o paraíso da satisfação, porém
ela é, ao mesmo tempo, o solo onde
a burrice melhor se desenvolve.
Augusto Cury

Era madrugada de natal no calçadão de Copacabana, raras pessoas ainda circulavam depois do espocar de fogos, das comemorações pela chegada do aniversário de Jesus na cidade maravilhosa. A grande maioria dormia, descansava depois de um dia e uma noite de expectativas e festas.

Mas um casal estava acordado, sim, andava lentamente pelo calçadão quando parou em frente a um banco, que contém uma estátua em homenagem ao poeta maior do Brasil Carlos Drummond de Andrade.

O rapaz identificado como Pablo andava de mãos dadas com sua namorada, sem saber que em frente aquela estátua havia câmeras de segurança colocadas para tentar justamente identificar marginais que insistem em pichar aquele monumento.

A câmera flagra o exato momento em que Pablo larga das mãos da namorada e comete o crime de pichação, considerado como crime contra o meio ambiente pelas nossas leis. Não pensou que ali havia câmeras, não imaginou que seu ato isolado de imbecilidade fosse ser captado por uma câmera, que se posicionava quase que como uma pedra em seu caminho, tal qual o poema de Drummond “No Meio do Caminho.”

Pablo assim como o poeta é mineiro, porém reside em Jacarepaguá na zona oeste carioca. Ontem ele se apresentou a delegacia, prestou depoimento saiu em liberdade após assinar um termo circunstanciado. Ao delegado disse que pichou a estátua apenas porque queria impressionar a namorada. No tempo de Carlos Drummond de Andrade um jovem fazia outras coisas melhores no momento de impressionar uma namorada. Uma carta bem escrita, um poema enamorado, um bom emprego, ou até uma seresta foram usados nos bons tempos deste país que se dilacera gradualmente a cada dia que passa.

Em pleno Século XXI, auge da tecnologia das comunicações, onde celulares invadem a vida de todos com inovações seguidas, acopladas a redes sociais, tabletes, notebooks, numa parafernália de informações, fotos, musicas e jogos um astuto mineiro carioca descendente resolve pichar um patrimônio público e diz que era para impressionar a namorada?

Como nossas leis são brandas e não vão significar nem uma pedra no caminho do pichador inútil chamado Pablo, ele vai ficar livre, sequer terá de limpar a sujeira que fez. A namorada talvez se apaixone ainda mais pelo brutamontes descerebrado, pois na madrugada de Natal ela foi conivente com seus atos e em momento algum tentou impedir o namorado de cometer o crime em plena calçada da mais famosa praia do mundo.

Se um jovem de classe média que teve condições de estudo e boa alimentação com plena capacidade física e mental prefere pichar uma estátua ao invés de namorar, andar, passear, contemplar o mar, o que podemos esperar do futuro deste nosso país tão carente de jovens engajados em projetos de cidadania e ética?

Ser antenado, estar conectado é isso? Pichar um bem público é ser moderno? Impressionar uma mulher é fazer isso que Pablo fez em Copacabana? Precisamos começar a rever uma série de conceitos então, pois amanhã poderá ser tarde.



5 de janeiro de 2014

Publicanos da era moderna

Coincidências são as fontes de algumas
de nossas maiores irracionalidades.
Autor desconhecido

Eram considerados publicanos os responsáveis pela arrecadação de taxas, tributos e impostos, no âmbito da Antiga Roma Imperial. Eles eram detestados e rejeitados pelos judeus, que não admitiam a cobrança de impostos, a qual, segundo os fariseus, que tinham como função zelar pela doutrina hebraica, ia contra a Lei de Moisés.

No Brasil, mais de dois mil anos depois nós elegemos os nossos publicanos em três esferas diferente de poder, sem contar que ainda colocamos no poder para nos representar Vereadores, Deputados Estaduais, Federais e Senadores. Todos sem exceção legislam para aumentar impostos, criar novos tributos e são igualmente odiados por isso.

Um exemplo que não deixa dúvida alguma está na cidade litorânea de São Sebastião no litoral norte do Estado de São Paulo. A cidade é uma estância balneária com aproximadamente 85 mil habitantes, que no verão recebe milhares de turistas que deixam milhões em receitas para o município.

Muitos destes veranistas possuem imóveis na cidade e assim como os residentes fixos foram surpreendidos com a notícia do aumento do IPTU – Imposto Predial Territorial Urbano com aumento obsceno entre 40% (Quarenta por cento) e 670% (Seiscentos e setenta por cento). Smj, o maior aumento de IPTU do Brasil.

Um morador na praia de Paúba, cujo IPTU em 2013 foi de R$ 1.706,00 neste ano de 2014 terá de pagar R$ 13.129,00. Isso numa moradia simples e sem luxo algum, pois não estou falando de mansões nababescas e cinematográficas, mas sim, de uma residência com um ou dois dormitórios.

O prefeito se defende utilizando a velha, esfarrapada e mentirosa desculpa de que há onze anos o IPTU não era atualizado, e que o reajuste ocorreu só para o valor venal dos terrenos, pois os imóveis foram corrigidos pela inflação. O Fanfarrão dos 670% se chama Ernane Primazzi e seu partido é o PSC, mesma sigla do Pastor Marco Feliciano. Aquele partido que diz da família, imagino se não fosse da família quanto seria o reajuste do IPTU de São Sebastião...

Para completar as desculpas esfarrapadas o Prefeito alegou que o município teve queda drástica de arrecadação (R$ 5 milhões mensais) com a redução dos royalties do petróleo. A população está se mobilizando para entrar na justiça e tentar assim como em São Paulo, impedir via judicial este reajuste absurdo, desproporcional e sem nenhuma sustentação plausível.

Este exemplo ilustra independentemente de partidos políticos, como age a maioria daqueles que chegam ao poder no país. Eles tentam aumentar impostos, taxas, quando não conseguem, tentam criar novos tributos. Nosso país possui uma carga tributária inimaginável, somos roubados com tantos impostos sem que tenhamos retorno em saúde, educação, segurança, habitação ou qualquer outro serviço público decente. Tudo que é feito no município tem custo, pagamos por tudo, os impostos servem apenas para custear a imoralidade da máquina administrativa inchada.

Em Bauru – SP, pagamos até uma taxa para o Corpo de Bombeiros, que pertence a Corporação da Polícia Militar que é responsabilidade do Estado de SP. Como o Governador não banca sua existência, os munícipes pagam de novo por um serviço que nossos impostos deveriam servir para custear.

Os publicanos brasileiros são piores que os romanos, matam a esperança de termos uma Nação decente, equilibrada, moderna e pujante. Nossos recursos servem para alimentar uma indústria de corrupção, improbidades e obscenidades que só terá fim quando a sociedade estiver conscientizada de sua força e se unir contra este absurdo no país.

3 de janeiro de 2014

Medindo as riquezas do Ser Humano!

“Tenho a intenção de processar a revista “Fortune”, porque fui vítima de uma omissão inexplicável”. Ela publicou uma lista dos homens mais ricos do mundo, e nesta lista eu não apareço. Aparecem: o sultão de Brunei, os herdeiros de Sam Walton e Mori Takichiro. Incluem personalidades como a rainha Elizabeth da Inglaterra, Niarkos Stavros, e os mexicanos Carlos Slim e Emilio Azcarraga.

Mas eu não sou mencionado na revista. E eu sou um homem rico, imensamente rico. Como não, vou mostrar a vocês: Eu tenho vida, que eu recebi não sei por que, e saúde, que conservo não sei como. Eu tenho uma família, esposa adorável, que ao me entregar sua vida me deu o melhor para a minha; meus filhos maravilhosos dos quais só recebi felicidades, netos com os quais pratico uma nova e boa paternidade.

Eu tenho irmãos que são como meus amigos, e amigos que são como meus irmãos. Tenho pessoas que sinceramente me amam, apesar dos meus defeitos, e a quem amo apesar dos meus defeitos. Tenho quatro leitores a cada dia para agradecer-lhes porque eles leem o que eu mal escrevo. Eu tenho uma casa, e nela muitos livros (minha esposa iria dizer que tenho muitos livros e entre eles uma casa).

Eu tenho um pouco do mundo na forma de um jardim, que todo ano me dá maçãs que iriam reduzir ainda mais a presença de Adão e Eva no Paraíso. Eu tenho um cachorro que não vai dormir até que eu chegue, e que me recebe como se eu fosse o dono dos céus e da terra.

Eu tenho olhos que veem e ouvidos para ouvir, pés para andar e mãos que acariciam; cérebro que pensa coisas que já ocorreram a outros, mas que para mim não haviam ocorrido nunca. Eu sou a herança comum dos homens: alegrias para apreciá-las e compaixão para irmanar-me aos irmãos que estão sofrendo. E eu tenho fé em Deus que vale para mim amor infinito.

Podem haver riquezas maiores do que a minha? Por que, então, a revista "Fortune" não me colocou na lista dos homens mais ricos do planeta? “E você, como se considera”? Rico ou pobre? Há pessoas pobres, mas tão pobres, que a única coisa que possuem é... DINHEIRO. 

Fabuloso texto escrito por Armando Fuentes Aguirre (Catón), jornalista mexicano.

Uma história de guerra!

A EQUIPE DE FUTEBOL QUE PREFERIU MORRER A PERDER
Texto de Marco Antônio Paiva Nogueira


A história do futebol mundial tem milhares de episódios emocionantes e comovedores, mas seguramente nenhum seja tão terrível como o protagonizado pelos jogadores do Dínamo de Kiev nos anos 40. Os jogadores jogaram uma partida sabendo que se ganhassem seriam assassinados e, no entanto, decidiram ganhar. Na morte deram uma lição de coragem, de vida e honra que não encontra, por seu dramatismo, outro caso similar no mundo. Para compreender sua decisão, é necessário conhecer como chegaram a jogar aquela decisiva partida, e por que uma simples partida de futebol apresentou para eles o momento crucial de suas vidas.

Tudo começou em 19 de setembro de 1941, quando a cidade de Kiev (capital ucraniana) foi ocupada pelo exército nazista e os homens de Hitler aplicaram um regime de castigo impiedoso e arrasaram tudo. A cidade converteu-se num inferno controlado pelos nazistas, e durante os meses seguintes chegaram centenas de prisioneiros de guerra, que não tinham permissão para trabalhar nem viver nas casas, assim todos vagavam pelas ruas na mais absoluta indigência. Entre aqueles soldados doentes e desnutridos, estava Nikolai Trusevich, que tinha sido goleiro do Dínamo.
Kiev totalmente destruída

Josef Kordik, um padeiro alemão a quem os nazistas não perseguiam, precisamente por sua origem, era torcedor fanático do Dínamo. Num dia caminhava pela rua quando, surpreso, olhou um mendigo e de imediato reconheceu seu ídolo: o gigante goleiro Trusevich. Ainda que fosse ilegal, mediante artimanhas, o comerciante alemão enganou aos nazistas e contratou o goleiro para que trabalhasse em sua padaria. Sua ânsia por ajudá-lo foi valorizada por Trusevich que agradecia a possibilidade de se alimentar e dormir debaixo de um teto. Ao mesmo tempo, Kordik emocionava-se por ter feito amizade com a estrela de sua equipe.

Na convivência, as conversas sempre giravam em torno do futebol e do Dínamo, até que o padeiro teve uma ideia genial: pediu a Trusevich que em lugar de trabalhar como ele, amassando pães, se dedicasse a buscar o resto de seus colegas. Não só continuaria lhe pagando, senão que juntos podiam salvar os outros jogadores. O arqueiro percorreu o que restara da cidade devastada dia e noite, e entre feridos e mendigos foi descobrindo, um a um, a seus amigos do Dínamo. Kordik deu trabalho a todos, se esforçando para que ninguém descobrisse a manobra. Trusevich encontrou também alguns rivais do campeonato russo, três jogadores da Lokomotiv, e também os resgatou. Em poucas semanas, a padaria escondia entre seus empregados uma equipe completa.
                                                    O goleiro Trusevich
Reunidos pelo padeiro, os jogadores não demoraram em dar o passo seguinte, e decidiram alentados por seu protetor, voltar a jogar. Era, além de escapar dos nazistas, a única coisa que sabiam fazer bem. Muitos tinham perdido suas famílias nas mãos do exército de Hitler e o futebol era a última sombra mantida de suas vidas anteriores. Como o Dínamo estava enclausurado e proibido, deram um novo nome para aquela equipe. Assim nasceu o FC Start, que através de contatos alemães começou a desafiar a equipes de soldados inimigos e seleções formadas no III Reich.
Em sete de junho de 1942, jogaram sua primeira partida. Apesar de estarem famintos e cansados por terem trabalhado toda a noite, venceram por 7 x 2. O próximo adversário foi à equipe de uma guarnição húngara, ganharam de 6 x2. Depois meteram 11 gols numa equipa romena. A coisa ficou séria quando em 17 de julho enfrentaram uma equipe do exército alemão e golearam por 6 x 2. Muitos nazistas começaram a ficar chateados pela crescente fama do grupo de empregados da padaria e buscaram uma equipe melhor para ganhar deles. Trouxeram da Hungria o MSG com a missão de derrotá-los, mas o FC Start goleou mais uma vez por 5 x 1, e mais tarde, ganhou de 3 x 2 na revanche.
                                                  O cartaz da revanche
 Em seis de agosto, convencidos de sua superioridade, os alemães prepararam uma equipe com membros da Luftwaffe, o Flakelf, que era um grande time, utilizado como instrumento de propaganda de Hitler. Os nazistas tinham resolvido buscar o melhor rival possível para acabar com o FC Start, que já gozava de enorme popularidade entre o sofrido povo refém dos nazistas. A surpresa foi grande, porque apesar da violência e falta de esportividade dos alemães, o Start venceu por 5 a 1.
Depois dessa escandalosa queda do time de Hitler, os alemães descobriram a manobra do padeiro. Assim, de Berlim chegou uma ordem de acabar com todos eles, inclusive com o padeiro, mas os hierarcas nazistas locais não se contentaram com isso. Não queriam que a última imagem dos russos fosse uma vitória, porque acreditavam que se fossem simplesmente assassinados não fariam nada mais que perpetuar a derrota alemã. A superioridade da raça ariana, em particular no esporte, era uma obsessão para Hitler e os altos comandos. Por essa razão, antes de fuzilá-los, queriam derrotar o time em um jogo. Com um clima tremendo de pressão e ameaças por todas as partes, anunciou-se a revanche para 9 de agosto, no repleto estádio Zenit. Antes do jogo, um oficial da SS entrou no vestiário e disse em russo:
- “Vou ser o juiz do jogo, respeitem as regras e saúdem com o braço levantado”, exigindo que eles fizessem a saudação nazista.
                                                        O time alemão
                                                       O time do Star
Já no campo, os jogadores do Start (camisas vermelha e calções brancos) levantaram o braço, mas no momento da saudação, levaram a mão ao peito e no lugar de dizer: – “Heil Hitler!”, gritaram – “Fizculthura!”, uma expressão soviética que proclamava a cultura física. Os alemães (camisa branca e calção negro) marcaram o primeiro gol, mas o Start chegou ao intervalo ganhando por 2 x 1. Receberam novas visitas ao vestiário, desta vez com armas e advertências claras e concretas:

- “Se vocês ganharem, não sai ninguém vivo”, ameaçou outro oficial da SS. Os jogadores ficaram com muito medo e até propuseram-se a não voltar para o segundo tempo. Mas pensaram em suas famílias, nos crimes que foram cometidos, na gente sofrida que nas arquibancadas gritava desesperadamente por eles e decidiram, sim, jogar.
Deram um verdadeiro baile nos nazistas. E no final da partida, quando ganhavam por 5 x 3, o atacante Klimenko ficou cara a cara com o arqueiro alemão. Deu lhe um drible deixando-o estatelado no chão e ao ficar em frente à trave, quando todos esperavam o gol, deu meia volta e chutou a bola para o centro do campo. Foi um gesto de desprezo, de deboche, de superioridade total. O estádio veio abaixo.
Como toda Kiev poderia a vir falar da façanha, os nazistas deixaram que saíssem do campo como se nada tivesse ocorrido. Inclusive o Start jogou dias depois e goleou o Rukh por 8 x 0. Mas o final já estava traçado: depois dessa última partida, a Gestapo visitou a padaria. O primeiro a morrer torturado em frente a todos os outros foi Kordik, o padeiro. Os demais presos foram enviados para os campos de concentração de Siretz. Ali mataram brutalmente a Kuzmenko, Klimenko e o arqueiro Trusevich, que morreu vestido com a camiseta do FC Start. Goncharenko e Sviridovsky, que não estavam na padaria naquele dia, foram os únicos que sobreviveram escondidos, até a libertação de Kiev em novembro de 1943. O resto da equipe foi torturada até a morte.
Ainda hoje, os possuidores de entradas daquela partida têm direito a um assento gratuito no estádio do Dínamo de Kiev. Nas escadarias do clube, custodiado em forma permanente, conserva-se atualmente um monumento que saúda e recorda àqueles heróis do FC Start, os indomáveis prisioneiros de guerra do Exército Vermelho aos quais ninguém pode derrotar durante uma dezena de históricas partidas, entre 1941 e 1942. Foram na maioria, mortos entre torturas e fuzilamentos, mas há uma lembrança, uma fotografia que, para os torcedores do Dínamo, vale mais que todas as joias em conjunto do Kremlin. Ali figuram os nomes dos jogadores. (foto abaixo):
Goncharenko e Sviridovsky, únicos sobreviventes, junto ao monumento de homenagem ao time.

Na Ucrânia, os jogadores do FC Start hoje são heróis da pátria e seu exemplo de coragem é ensinado nos colégios. No estádio Zenit uma placa diz “Aos jogadores que morreram com a cabeça levantada ante o invasor nazista”.
(Meu agradecimento especial ao amigo Rodrigo Borges, de Uberaba (MG) que me completou essa história).