2 de agosto de 2017

Uso dos aviões da FAB voltou a pauta!

A base da vergonha não é algum erro que cometemos,
mas que essa humilhação seja vista por todos.
Milan Kundera

Num período de apenas noventa dias o presidente da Câmara Federal Rodrigo Maia – DEM/RJ realizou a custa do erário, cerca de trinta viagens entre o DF e a cidade do Rio de Janeiro, onde mora; tornando-se o campeão de voos no governo Temer.
Segundo homem na linha sucessória do país, Rodrigo Maia, gastou mais de R$ 600 mil para ir e voltar para casa em jatinhos da Força Aérea Brasileira (FAB) entre janeiro e março deste ano. Neste curto período o fanfarrão realizou 30 viagens para ir e voltar de Brasília/Rio de Janeiro/Brasília.
A despesa leva em conta apenas o consumo de combustível de um modelo Legacy 600 da Força Aérea Brasileira - o mais utilizado por ministros e outras autoridades, segundo apurou o repórter Pablo Fernandez.
Rodrigo Maia foi o campeão de voos no governo Michel Temer. Normalmente, o político do DEM voa com mais oito passageiros à custa do povo brasileiro. Se utilizasse um voo comercial entre SP e o RJ, o gasto seria, em média, de R$ 1.500 por pessoa. Em um jatinho da FAB é de R$ 2.400.
Se o trajeto de Maia entre Brasília e o Rio de Janeiro fosse feito por uma empresa de táxi aéreo, sairia por R$ 78 mil reais. Em 30 viagens, o custo ultrapassaria R$ 2,3 milhões. Nem vamos perguntar por que ele viaja tanto para seu Estado quando no DF tem uma mansão para seu uso enquanto presidente da Câmara.
Um decreto editado em 2015, ainda no governo Dilma Rousseff, proíbe o uso de aviões da FAB para ir e voltar da cidade de origem as segundas e sextas-feiras, mas ele não vale para os presidentes da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal Federal (STF). Parece que o impeachment trouxe alguns benefícios aos manganões do DEM, PMDB e demais aliados.
Não há justificativa para esse tipo de gasto. O trajeto entre a capital do país e a cidade do Rio de Janeiro é servida por inúmeras linhas de voos comerciais, com várias possibilidades de datas e horários a disposição de qualquer cidadão. É completamente imoral a utilização de aviões da FAB, que tem um custo muito mais elevado que um avião de carreira.
Rodrigo Maia, não é o único a se aproveitar da fraqueza do governo Temer, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, fez 21 voos entre janeiro e março, todos saindo ou partindo de Porto Alegre, onde mora. No caso dele, a viagem em um voo da FAB custa R$ 33 mil, só de combustível.  Em nenhuma das oportunidades, ele alegou residência e na maioria das vezes, segurança ou serviço. O gasto total: R$ 693 mil. Normalmente, Eliseu Padilha viaja sozinho. Se utilizasse um voo comercial, a despesa seria, nos 21 voos, de R$ 73 mil - uma economia de R$ 620 mil.
O presidente da Comissão de Ética Pública da Presidência, Mauro Menezes, afirma que os dados levantados serão discutidos na próxima reunião do colegiado, dia 31. As punições previstas pela Comissão de Ética onde as sanções previstas vão desde advertências até a recomendação de exoneração das autoridades que cometam atos graves. Melhor acreditarmos em vida em outros planetas ou em papai Noel, do que acharmos que a situação será apurada com rigor...
O Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, voou no primeiro trimestre 27 vezes com jatinhos da FAB - 18 partindo ou chegando a São Paulo. Só com querosene, a despesa chega a R$ 396 mil. Normalmente, ele viaja com até cinco pessoas. Justo este senhor que vive pregando congelamento de gastos e reformas para a economia sair da crise.
Os dados levantados foram enviados ao Ministério Público Federal (MPF), que já tem um inquérito aberto para apurar o uso de aviões da FAB. Em nota, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou utilizar os jatinhos com base na legislação, que o autoriza a voar para a residência. Eliseu Padilha e Henrique Meirelles justificam segurança. 

Nenhum comentário: